Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fraude nos Correios

Pedida prisão de empresários acusados de fraude nos Correios

O Ministério Público Federal no Distrito Federal pediu, nesta quarta-feira (15/8), a prisão preventiva dos empresários Artur Wascheck Neto e Marco Antônio Bulhões. Eles são acusados de integrar uma quadrilha especializada em fraudar licitações nos Correios. O pedido será analisado pela 10ª Vara da Justiça Federal no Distrito Federal.

O MPF sustentou que a prisão preventiva dos empresários é imprescindível para evitar a continuidade dos crimes (garantia da ordem pública) e a exposição de testemunhas e colaboradores a ameaças de morte (conveniência da instrução criminal). Além disso, segundo os procuradores, ainda há diligências em curso e a liberdade dos envolvidos pode acarretar destruição de provas.

Wascheck e Bulhões foram presos pela primeira vez no dia 2 de agosto, durante a Operação Selo, da Polícia Federal. Soltos depois de cinco dias, tiveram a prorrogação da prisão temporária decretada na semana passada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que acatou recurso do MPF, e determinou que ambos voltassem à prisão.

O pedido do MPF para decretação da prisão preventiva pretende mantê-los presos durante todo o andamento da persecução penal até a final condenação. A denúncia será oferecida no prazo legalmente previsto para hipótese de indiciado preso.

De acordo com os procuradores, as investigações apresentam fortes indícios de que existe uma organização criminosa atuando de maneira coordenada e contínua para fraudar licitações e contratos nos Correios. O esquema envolveria empresários, lobistas e servidores dos Correios.

Depoimentos colhidos e documentos apreendidos durante as buscas comprovam a materialidade dos fatos e respectiva autoria, vinculando Artur Wascheck e Marco Antônio Bulhões aos crimes de quadrilha, corrupção e peculato, acusa o MPF.

Revista Consultor Jurídico, 16 de agosto de 2007, 18h15

Comentários de leitores

2 comentários

em que pese o brilhante trabalho investigativo ...

corravi (Advogado Autônomo)

em que pese o brilhante trabalho investigativo do ministério público federal, acredito que uma prisao preventiva nao deva ser decretada baseada apenas em fortes indicios e etcr... nesse situacao, caso a prisao seja decretada haverá uma anecipacao da pena, portanto acredito que a persecucao penal deva ainda prosseguir.. onde esta o princípio do contraditorio que esta explicito na nossa constituicao federal?

Nessa coisa de empresários e negócios, ainda va...

Armando do Prado (Professor)

Nessa coisa de empresários e negócios, ainda vale o pensamento de Lucky Luciano que dizia, com conhecimento de causa, que ao entrar em qualquer negócio o importante é não ser o morto. Uma moral definitiva sobre o seu negócio e, de resto, sobre o negócio do capitalismo em geral. Um jogo com regra singular: não ser o morto. O resto vale tudo

Comentários encerrados em 24/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.