Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tempo é dinheiro

Banco é condenado por deixar cliente três horas em fila

A Cooperativa de Crédito Rural Sorriso foi condenada a pagar R$ 2 mil de indenização por danos morais a um cliente que aguardou quase três horas na fila para ser atendido. A decisão é da juíza Paula Saide Biagi Messen Mussi Casagrande, de Sinop (MT). Cabe recurso.

Para a juíza, o banco descumpriu a legislação municipal 680/2002, que prevê atendimento em tempo máximo de 30 minutos, contados a partir do momento em que o cliente entra na fila, nos dias de maior movimento, como véspera e após feriados prolongados, dias de pagamento de funcionários públicos etc.

“Analisando o conjunto probatório dos autos em tela, é possível concluir que a prestação de serviço pelo banco-requerido realmente se deu de forma deficiente, ferindo os direitos do autor-consumidor", analisou Casagrande.

Segundo ela, é indiscutível que houve afronta aos direitos do autor da ação, que permaneceu aguardando atendimento por período além do permitido. “Sem sombra de dúvidas isso acarreta desgaste físico e emocional a qualquer pessoa, não podendo tal fato ser tido como mero percalço do cotidiano, sendo passível de indenização a título de danos morais", acrescentou Paula Casagrande.

Ressaltou, ainda, que a jurisprudência brasileira vem entendendo que a senha fornecida pelas instituições bancárias é suficiente para embasar pleitos desta espécie. "Se o Banco-réu entende que o documento fornecido por ele próprio aos seus clientes vem lhe causando condenações injustas, deve reorganizar estrutura interna, fornecendo documento com capacidade de identificar o usuário do serviço”, finalizou.

Confira as técnicas de gerenciamento e marketing usadas pelos escritórios que se destacam no mercado e pelos departamentos jurídicos de sucesso no seminário Gerenciamento e Marketing: Escritórios de Advocacia e Departamentos Jurídicos, promovido pela ConJur.

Revista Consultor Jurídico, 16 de abril de 2007, 16h40

Comentários de leitores

5 comentários

Em janeiro fui à CAIXA ag. Tambaú e para variar...

MARCUS (Economista)

Em janeiro fui à CAIXA ag. Tambaú e para variar filas enormes com tempo de espera acima de uma hora. Até aqueles que tem atendimento preferencial aguardavam além do tempo, em pé... E pasmém: no interior da agência, mais de 30 cadeiras encostadas na parede e vazias..Questionado o gerente, ele só sorriu...disse que não podeia fazer nada...

Fui duas vezes a CEF e fiquei 90 minutos em cad...

Bira (Industrial)

Fui duas vezes a CEF e fiquei 90 minutos em cada visita. Se o banco não consegue atender, deveria ampliar sua rede ou desistir do negocio.

É exemplar a condenação desta juíza. Parabéns. ...

sergio (Advogado Autônomo - Família)

É exemplar a condenação desta juíza. Parabéns. Os bancos tem que aprender a respeitar seus clientes e não somente cobrar altas taxas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/04/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.