Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Estado de urgência

Projeto prevê atendimento de policiais em qualquer hospital

Uma proposta que tramita na Câmara dos Deputados assegura atendimento de urgência aos policiais federais feridos no exercício de suas funções. O projeto prevê também o benefício para integrantes das polícias Civil e Militar, do Corpo de Bombeiros Militar, da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Ferroviária Federal. As informações são da Agência Câmara.

Pelo Projeto 92/07, de autoria do deputado Neilton Mulim (PR-RJ), todos os hospitais e clínicas serão obrigados a prestar assistência completa ao paciente, inclusive internação, pelo tempo necessário, sem que haja exigência de caução ou qualquer outro depósito ou desembolso pelo policial.

Segundo o parlamentar, o Estado deve garantir aos seus servidores que lidam diretamente com situações de perigo todas as condições para que sejam adequadamente atendidos. “É preciso zelar para que esses servidores tenham certeza de que, em caso de haver necessidade de tratamento médico de urgência, suas famílias, amigos e colegas não terão que arcar com as despesas decorrentes do tratamento”, justifica.

No Brasil, segundo dados da organização não-governamental Mídia sem Máscara, cerca de 2.160 militares são assassinados e feridos anualmente, o que coloca o país no primeiro lugar mundial no número de policiais vitimados por criminosos. São Paulo é o estado que lidera o ranking nacional de profissionais da área de segurança pública feridos por bandidos. Nas últimas décadas, a média de feridos no estado foi de 963 por ano.

Outra proposta que beneficia os federais e que está sendo defendida pela Federação Nacional dos Policiais Federais é o PL 6.994/06, que cria o seguro para indenização aos familiares de policiais federais e de policiais rodoviários federais mortos no exercício das suas atividades profissionais. O projeto foi apresentado pela deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC).

Segundo a deputada, o policial está em permanente risco inerente ao exercício de suas atividades profissionais. “Ele vive a permanente incerteza quanto ao seu destino e ao amparo que receberá sua família no caso de seu falecimento”, diz. Para Perpétua, a concessão de indenização aos beneficiários do policial morto em serviço representaria um avanço para a categoria.

Revista Consultor Jurídico, 7 de abril de 2007, 0h00

Comentários de leitores

3 comentários

Condor, quem você acha que vai pagar por isto? ...

ERocha (Publicitário)

Condor, quem você acha que vai pagar por isto? Porque o governo não paga um bom salário ao policial para ELE pagar um bom plano de saúde. Melhor, porque o governo não faz algo de útil e melhora o atendimento público. O que o governo fez é dizer "o sistema público é uma merda, o particular que pague a conta". Digo mais, se você for a uns 3 hospitais que o seu plano cobre e todos os leitos estiverem ocupados por policiais, você acharia isto bonito? Você seria atendido por um SUS particular.

Melhor seria se mudasse o combate à criminalida...

J.Henrique (Funcionário público)

Melhor seria se mudasse o combate à criminalidade (primeiramente limpando o Estado de CIMA a baixo). Do contrário vai faltar leito para outros atendimentos.

Aplausos aos parlamentares. Sempre há uma esper...

Condor (Estudante de Direito - Trabalhista)

Aplausos aos parlamentares. Sempre há uma esperança no ar, uma fagulha de bom senso nos reanima e dá força para acreditar que a nossa República das bananas ainda tem jeito! Esse projeto é muito bem vindo, principalmente nesse momento de pura insegurança pela qual passa nossa sociedade. É o mínimo que podemos fazer por aqueles que em muitos casos, dão sua vida, para manter um mínimo de ordem nesse caos social em que vivemos.

Comentários encerrados em 15/04/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.