Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Último tempo

PT pede cassação da candidatura do tucano Geraldo Alckmin

O PT deve entrar com pedido de cassação da candidatura do tucano Geraldo Alckmin à Presidência da República. Na Representação, que deve ser apresentada neste sábado (30/9) ao Tribunal Superior Eleitoral, o partido alega que Alckmin está usando indevidamente o episódio da compra do dossiê PT-sanguessugas para prejudicar a candidatura à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A iniciativa seria uma reação de Lula ao vazamento de fotografias do dinheiro (R$ 1,7 milhão) apreendido pela Polícia Federal com dois integrantes do PT — o empresário Valdebran Padilha da Silva e o ex-agente da Polícia Federal Gedimar Pereira Passos, que foram presos no dia 15 de setembro em São Paulo.

De acordo com a agência Reuters, os advogados do PT não pretendem citar nenhum veículo de comunicação na Representação. Segundo o advogado ouvido pela agência, a ação se baseia “em vários elementos que caracterizam o uso de notícias, pela campanha de Alckmin, com o intuito de prejudicar o candidato Lula”.

Visite o blog Consultor Jurídico nas Eleições 2006.

Revista Consultor Jurídico, 29 de setembro de 2006, 20h52

Comentários de leitores

25 comentários

É tamanha a burrice desse pessoal do PT envolvi...

Sérgio (Contabilista)

É tamanha a burrice desse pessoal do PT envolvido na compra do dossiê dos sanguessugas, que a opinião pública chega a acreditar numa teoria da conspiração. Em sã consciência, não é possível acreditar que um advogado,ex-agente da polícia federal e outro empresário, tenham produzido tal incidente, quando o Presidente tinha bastante vantagem nas intenções de voto. E continua a burrice em tentar impugnar a candidatura Alckmin, cientes que em qualquer situação jamais a pretensão seria atendida. É como procurar pelo em ovo. O PT deveria atacar objetivamente as falhas do ex-governador, como o descumprimento de decisões judiciais, pois desde 1998 não paga seus precatórios de natureza alimentícia sob o argumento de que não possui recursos, enquanto arrota que vem reduzindo impostos. Sequer possui sensibilidade quanto às famílias de mais de 40.000 pessoas cujos titulares dos créditos faleceram, sem que tenham conseguido receber seus direitos. Compactou com um prejuízo de mais de 2,85 bilhões de reais aos cofres públicos paulistas, ao não contestar judicialmente a multa recebida pelo Banespa, de responsabilidade do Bacen, pois a instituição estava sob o RAET-Regime Administrativo Especial Temporário e teve toda a sua diretoria substituída pelo governo federal de fhc, visando facilitar a privatização do Banespa. Mencionado valor foi deduzido do valor do patrimônio do Banespa, ocasionando tal prejuízo ao povo paulista. Sua omissão criminosa, em conluio com fhc, não repercutiu na imprensa, sendo que neste caso ética e moral não importaram para a grande mídia. Além, evidentemente, de inúmeros outros que seria fastidioso enumerar. O que se esperaria da mídia seria uma cobertura isenta e com o compromisso da verdade, porque pior do que distorcer fatos é esconder a existência dos mesmos.

Aí Marcão: Fogo nelles. .45 na cambada. ...

Richard Smith (Consultor)

Aí Marcão: Fogo nelles. .45 na cambada. Um abração.

Essa é boa: o PT tenta cassar a candidatura do ...

Marco Aurelio M (Outros - Administrativa)

Essa é boa: o PT tenta cassar a candidatura do Alkimin por "fazer uso INDEVIDO do caso 'dossiê-sanguessugas"... Pergunto: O que seria, então, "usar DEVIDAMENTE" o caso? Cobrar propina para não mencionar? Falar que é exagero da imprensa? Mal posso esperar os debates, e, antes deles, as entrevistas exclusivas com o Bonner e a Fátima Bernardes; na 2ª cutucada, o "presida" vira a mesa, manda todo mundo prá "aquele lugar" e manda a PF fechar o local (bem mais, aliás, que o Collor fez com a Folha...) 2º TURNO é OOUUTRA eleição...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.