Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Político de todos

Mais importante do que a fome zero é a corrupção zero

Por 

A Ordem dos Advogados do Brasil, contando com o apoio da CNBB, ABI, CUT, Ajufe e outras entidades representativas da sociedade civil, deflagrou uma campanha em favor da reforma da nossa vida política, premida pelos escândalos freqüentes que, há muito, deslustram as instituições.

Conforme sustentou Péricles — o maior orador de seu tempo —, o cidadão que se mostra estranho ou indiferente à política é também inútil à sociedade e à República. A política não pode ser considerada uma atividade pública, devendo constituir, prioritariamente, um modo de vida.

A política contraditoriamente é, ao mesmo tempo, a mais bela, a mais feia, a mais nobre e a mais desprezível das atividades humanas, dependendo da maneira com que seja exercida e os objetivos que busque por meio dos que detêm um mandato, num país onde todo o poder se diz emanar do povo e em seu nome estar sendo exercido.

O professor Fábio Konder Comparato, no lançamento da campanha em prol da reforma de nossa vida política, desenvolveu argumentos convincentes mediante números que não podem ser contestados, pois oriundos dos órgãos governamentais. Em sua oração, assinalou que de 1980 até hoje a renda nacional foi reduzida de cerca de metade a menos de um terço.

Nenhum emprego foi criado nos últimos anos com remuneração acima de três salários mínimos; 64% de todos os empregos surgidos nesse período foram de um salário mínimo. A taxa de desemprego aumentou em quase 80% entre 1992 e 2004. O país conta hoje com 8 milhões de desempregados e o IBGE informa que 65% dos jovens na faixa etária de 14 a 24 anos não estudam e não trabalham.

Conforme dados do Ministério da Educação, 54% dos alunos da quarta série de ensino fundamental, em todo país, não sabem ler nem escrever, ao passo que 75% da população nacional é composta por analfabetos funcionais.

Em termos de política assistencial, o total dos dispêndios do governo federal com o programa bolsa-família, em todo o exercício financeiro de 2005, equivaleu a menos da metade do que foi pago mensalmente em relação à dívida pública.

Comparato, que é um dos maiores juristas brasileiros de renome internacional que combateu o governo Fernando Henrique Cardoso, foi incisivo em afirmar: "é muito mais fácil, e eleitoralmente compensador, pagar R$60 por mês a cada família do que criar postos de trabalho para os dois milhões e 300 mil jovens que a cada ano ingressam no mercado".

Os dois últimos governos federais aplicaram uma política econômica insensata e recessiva e, ao mesmo tempo, se gabam de socorrer piedosamente as famílias pobres.

Esses dados são realmente significativos e devem despertar a sociedade civil para a luta em prol de uma reforma de fundo — e não aparente — a começar do voto consciente nas próximas eleições, que não deve limitar-se a cumprir uma exigência legal.

Na República Velha, o paraibano José Américo de Almeida advertia que "uma miséria maior do que morrer de fome no deserto é não ter o que comer na terra de Canaã".

O que importa não é melhorar somente a condição do pobre, e sim suprimir a pobreza, criando condições de renda e educação, mas sem perder de vista os princípios éticos que constituem necessidade primordial de um país realmente sério. Pois, como advertiu o presidente Roberto Busato, tão ou mais importante que a "fome zero" é "a corrupção zero". O combate à corrupção deveria ser a mais significativa de nossas prioridades.

 é conselheiro federal da OAB.

Revista Consultor Jurídico, 13 de setembro de 2006, 14h12

Comentários de leitores

4 comentários

Meu amigo Patulléia: "Discurso moralista" e ...

Richard Smith (Consultor)

Meu amigo Patulléia: "Discurso moralista" e ainda por cima "udenista"? Deve ser bem isso o que pensam acerca do assunto: Silvinho "Land Rover" Pereira, Paulo "Paizão" Okamotto, Luiz "Opportunity" Gushiken, Delúbio Soares, José "Cueca" Genuíno, José Dirceu ("O Delfim"), Luiz Eduardo "Shell/Lubeca" Greenhalg, Humberto "Sanguessuga" Costa, Marcelo "Previ" Sereno, Luiz Inácio "Eu-não-sei-de-nada" et caterva. Mais uma coisa: já que o amigo é dado a julgar o íntimo das pessoas, atrevo-me a julgar alguns comentários (comentários, viu?) seus acerca do "POVO" e da sua disposição de reeleger o Indigno: Vocês de "esquerda" sabem-se "profetas" da vontade popular. Esse POVO, coitado, o que seria dele se não houvessem "gênios" como vocês para interpretar os seus anseios e vontades, não? A mim parece, pelos seus comentários que com POVO, mesmo, você nunca trocou mais do que duas ou três frases (talvez: "Maria, me traz um copo d´água!" ou "Severino, já chegou o jornal?"). O POVO, meu caro, somos todos nós! Deixemos então que ele se pronuncie no dia 1º. de outubro. Quem sabe teremos surpresas muito interessantes. Um abraço.

Bom dia, meus companheiros do reino da utopia. ...

Embira (Advogado Autônomo - Civil)

Bom dia, meus companheiros do reino da utopia. Então devemos acabar com as políticas sociais e só criar empregos? Ao invés de dar o peixe, ensinar a pescar, etc. O propósito é bom, mas, estamos na contramão da História. A informatização da produção gera cada vez mais desemprego: vide setor têxtil, ou automotivo. Acabo de ler as memórias do filósofo francês Roger Garaudy: “são três os problemas que nos atormentam: a fome no mundo – não esqueça que a cada ano 45 milhões de seres humanos morrem de fome. ...Em segundo lugar, a questão do desemprego: 35 milhões de desempregados no Ocidente. ...O terceiro problema é o da imigração. Isto é a passagem do mundo da fome para o mundo do desemprego.” Isso ele escreveu em 1989 – de lá para cá, piorou bastante. É claro que as políticas sociais não são a solução ideal. Mas, não se pode fazer muita coisa mais em um mundo em que “a paz chama-se equilíbrio do terror, a traição dos povos chama-se segurança nacional, a violência institucional chama-se ordem, a concorrência da selva chama-se liberalismo e o conjunto dessas regressões, progresso.”

Escola é escola. Trabalho é trabalho. Saúde é...

Saeta (Administrador)

Escola é escola. Trabalho é trabalho. Saúde é saude. Aos pobres deve-se dar oportunidades reais de educação, saúde e trabalho. Esmolas nunca serão o bastante para tira-los da miséria. Não será com ridículas "bolsa-eleitor" que os miseráveis deixarão de sê-lo. Pelo contrário, com o advento da "bolsa-esmola" ficarão mais e mais dependentes. Serão sempre um prato cheio para políticos inescrupulosos que os enganam com esmolas e conversa fiada de um futuro melhor.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.