Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem volta

Professora está livre de devolver gratificação ganha indevidamente

Uma professora da rede pública de ensino do Distrito Federal está livre de restituir os valores recebidos indevidamente, a título de gratificação de alfabetização, ao poder público. A decisão é da 4ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal. Cabe recurso.

De acordo com o processo, em maio de 2003 a professora teve problemas de saúde e foi readaptada. Passou a prestar suporte pedagógico a professores. Até fevereiro de 2004, recebeu a GAL — Gratificação de Alfabetização, instituída pela Lei Distrital 654/94 e regulamentada pelo Decreto 15.476/94. A gratificação é devida aos professores que exercem regência de classe no Ciclo Básico de Alfabetização na Rede Pública de Ensino.

Segundo ela, o pagamento da gratificação foi suspenso. O argumento foi o de que a parcela não era mais devida, com a sua readaptação. Por isso, seriam efetuados descontos em seus vencimentos a título de ressarcimento. A professora argumentou que teria direito à continuidade do recebimento do benefício, de acordo com a Lei 654/94 e da Lei 8.112.

Na defesa, o poder público alegou que a gratificação é exclusiva a professores que desenvolvam as modalidades de Ensino do Ciclo Básico de Alfabetização (1ª e 2ª séries do Ensino Fundamental e Fase I do Supletivo). Assim, ficam excluídas as 3ª e 4ª séries, turmas em que a autora lecionava quando da sua licença. Alegou, ainda, que é obrigação do servidor público restituir ao erário as importâncias recebidas indevidamente.

Para a primeira instância, apesar de a servidora ter se beneficiado de uma situação decorrente de erro, não houve má-fé no recebimento dos valores ao longo dos anos. De acordo com a Justiça, é correta a decisão da Administração em suspender o pagamento da gratificação, mas não se mostra razoável a cobrança dos valores recebidos indevidamente pela autora. O juiz entende que a professora não pode ser prejudicada se o fato decorreu de ato próprio da Administração.

A primeira instância determinou também que o poder público restitua, se for o caso, as quantias que por ventura foram descontadas da sua remuneração.

Processo 2005.01.1.026771-0

Revista Consultor Jurídico, 4 de setembro de 2006, 15h43

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 12/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.