Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

A mão da Justiça

Mais do que as leis, decisões judiciais mudam a sociedade

Por 

Um grupo de criminosos planeja um seqüestro. No meio da reunião para discutir os detalhes da operação, o chefão avisa: “Queria advertir os nobres colegas que a pena máxima de prisão para seqüestro aumentou de oito para 20 anos”. Um a um, os colegas respondem: “Se é assim, estou fora dessa”. A sessão se encerra, voltam todos para casa aterrorizados com os rigores da nova lei, um crime brutal deixa de ser cometido e em pouco tempo os índices de criminalidade desabam.

A improvável cena, montada pela imaginação de um reconhecido criminalista, ilustra à perfeição a impossibilidade prática de querer modificar a realidade com a simples edição de leis. E remete à idéia de que o contrário disso é muito mais verdadeiro do que pode parecer. Não são as leis que mudam a realidade. É a realidade que muda as leis.

Em seu trabalho de interpretar a legislação e a Constituição Federal — que atende também pelo nome de hermenêutica jurídica — juízes e tribunais relevam-se responsáveis pelas maiores transformações sociais dos últimos anos. “A atividade dos tribunais é uma importante fonte criadora do direito. O juiz não se limita a aplicar o direito existente, mas é muitas vezes co-participante do processo de criação do direito. E faz isso por meio da interpretação”, afirma o constitucionalista Luís Roberto Barroso.

São fartos os exemplos da influência da Justiça nas mudanças sociais. O mais recente se deu nas eleições de 1º de outubro, quando o Tribunal Superior Eleitoral impediu a candidatura de um punhado de maus administradores públicos.

Até estas eleições, funcionava assim: o prefeito ou governador geria mal — ou assaltava — os cofres públicos. Condenado pelos tribunais de contas, tinha os direitos políticos suspensos. Na teoria, a Justiça estava feita. Na prática, bastava ao mau político entrar com um processo contra a condenação administrativa para recuperar seus direitos e se candidatar a qualquer cargo eletivo.

Isso mudou. O TSE reinterpretou suas decisões e acabou com a farra. Num julgamento capitaneado pelo ministro Cesar Asfor Rocha, a Corte Eleitoral decidiu que para garantir o registro da candidatura, o candidato tem de obter a suspensão da decisão administrativa na Justiça Comum ou a Justiça Eleitoral tem de reconhecer a idoneidade da ação que contesta a decisão do tribunal de contas.

A virada se deu no julgamento da candidatura a deputado estadual de Elizeu Alves, ex-prefeito de São Luiz do Anauá (RR). Alves (PP) teve as contas rejeitadas em agosto de 2003 e novamente em dezembro de 2004, mas só contestou a decisão do Tribunal de Contas Estadual em 4 de julho deste ano — um dia antes do término do prazo legal para requerer o registro de sua candidatura.

Ficou claro que a intenção de Alves era apenas concorrer às eleições, não discutir sua suposta inocência. Mas o candidato dançou, e fez bailar ao som da música da renovação mais um punhado de maus políticos que até então se aproveitavam desta regra.

Tratamento da Aids

A permissão legal para que doentes de Aids ou trabalhadores com dependentes soropositivos saquem o Fundo de Garantia para tratamento, por exemplo, só nasceu depois de seguidas decisões judiciais determinando que eles pudessem dispor desse dinheiro.

Em outubro de 1998, uma sentença pioneira do juiz federal Maurício Kato, de São Paulo, obrigou a Caixa Econômica Federal a liberar os recursos do FGTS de pessoa empregada e em perfeito estado de saúde para custear o tratamento de dependente, portador do vírus da Aids. Até então, admitia-se a liberação do dinheiro apenas para quem tinha a doença, não para seus tutores. Neste caso, uma trabalhadora pediu na Justiça a liberação do seu Fundo de Garantia para custear o tratamento do irmão.

O juiz Kato classificou como “absolutamente irrelevante” o fato de a lei do FGTS não mencionar expressamente a figura do dependente aidético como condição para o saque do FGTS. E lembrou que o papel do juiz, na aplicação da lei, deve ser o de atender “aos fins sociais a que ela se dirige e à exigência do bem comum”.

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 14 de outubro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

10 comentários

Não podemos nos esquecer que os Juízes decidem ...

Fábio (Advogado Autônomo)

Não podemos nos esquecer que os Juízes decidem e são influenciados pelas pressões culturais, econômicas, sociais, filosóficas, etc, De sorte que, contrariamente ao amigo Raul, penso que é a sociedade civilmente organizada é quem muda as leis e as decisões judiciais. Muitas vezes, as decisões judiciais tardam a dar uma solução adequada aos conflitos sociais e se fazem necessárias várias Ações Judiciais envolvendo o mesmo assunto até que se cristalizem as decisões judiciais.

Hoje, passei a ter um pouco mais de fé na vida....

Professor Erasmo (Professor)

Hoje, passei a ter um pouco mais de fé na vida. Este artigo mostra o que venho preconizando durante a vida toda: cada ser humano, dentro de uma sociedade organizada, tem um papel fundamental, que é o de sobreviver e crescer, sem agredir o direito alheio e, principalmente, contribuindo para a sobrevivência e crescimento do grupo social, seja ele o núcleo familiar, a cidade, a taba, o feudo, mas, sempre, colaborando para a manutenção do bem comum, com simples atitudes, como essas, dos ilustres juristas, que, assim como qualquer cidadão de bem, fizeram a coisa certa, esmiuçaram um pouco mais as letras frias da lei e cumpriram sua função, demonstrando consciência de grupo. Quem sabe, se cada cidadão tomar para si a responsabilidade e, simplesmente, cumprir seu papel com profundidade, indo além de arranhar a superfície, descortinaremos uma nova realidade? Comentários: professorerasmo@hotmail.com

As decisões judiciais efetivamente podem mudar ...

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

As decisões judiciais efetivamente podem mudar a sociedade desde que: os Juízes e advogados ajam como agentes transformadores da sociedade. Mais que isso é necessário que as decisões judiciais sejam eficazes.Esta a grande dificuldade do direito brasileiro. Julio Brandão Marilia-SP

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.