Consultor Jurídico

Crime no Pará

Advogado mata promotor de justiça e diz que era perseguido

O advogado João Bosco Pereira Guimarães assassinou com um tiro o promotor de justiça do município paraense de Marapanin, cidade localizada a 150 km de Belém. O presidente da OAB do Pará, Ophir Cavalcante Júnior, enviou para o local a presidente da Subseção de Castanhal, Flávia Christina Maranhão.

João Bosco disse que matou o promotor porque vinha sofrendo perseguições em todos os processos em que atuava. O crime ocorreu nesta sexta-feira (22/11).

O presidente da OAB do Pará garantiu que a seccional vai adotar todas as medidas disciplinares para apurar o caso. “A Ordem dos Advogados do Brasil não concorda com qualquer tipo de violência e lamenta o ocorrido que não traduz a postura dos advogados paraenses. O fato constitui-se uma exceção que deve ser apurada e punida com rigor”, afirmou Cavalcante.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de novembro de 2006, 12h23

Comentários de leitores

32 comentários

Meu caro Dr. Artur: E pena de morte? Por...

Richard Smith (Consultor)

Meu caro Dr. Artur: E pena de morte? Por quê não? Por que tantos pruridos quando dela se fala? Um abraço.

Caro Richard: a pena de morte já existe, e em a...

MPMG (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Caro Richard: a pena de morte já existe, e em alguns casos até se admite tortura prévia. A resslava é que esta só se aplica aos cidadão comuns, trabalhadores, que deixam a família com o coração esmagado e na miséria.

p.s. O post abaixo destina-se aos intoxicados...

Richard Smith (Consultor)

p.s. O post abaixo destina-se aos intoxicados culturais que veem a pena de morte como coisa absurda, anti-cristã e "medieval", além de uma INJUSTA e DESUMANA punição, desconforme aos valores "humanísticos" (quá, quá, quá!) de nossa Civilização". p.s.2 A primeira frase dos parágrafos sexto e oitavo tem cunho interrogativo, tendo faltado apenas o sinal gráfico de interrogação (coisas do teclado). Obrigado.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.