Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dia de glória

Enrique Lewandowski toma posse como ministro do Supremo

Por 

Em uma rápida cerimônia na tarde desta quarta-feira (16/3) tomou posse o novo ministro do Supremo Tribunal Federal, Enrique Ricardo Lewandowski. Estavam presentes na solenidade, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo Celso Limongi, além de outros importantes nomes do Direito brasileiro, juízes, professores, desembargadores e advogados.

“Eu estou muito honrado, satisfeito e lisonjeado com tantas presenças de peso nesta solenidade. Aqui estão grandes professores, nomes da advocacia e da magistratura”, afirmou Lewandowski. Entre os presentes estavam o professor Arnoldo Wald, o advogado Manuel Alceu Affonso Ferreira, os criminalistas José Roberto Batochio, Arnaldo Malheiros Filho e Alberto Toron e o vice-governador de São Paulo, Claudio Lembo.

Lewandowski é o quinto ministro do STF indicado por Lula e, considerando o ministro Eros Grau, que construiu a carreira no estado de São Paulo, é o quarto ministro paulista na Corte. Acompanhado da família, mulher e três filhos, o novo ministro passou mais de duas horas à disposição de uma grande fila de colegas, conhecidos e amigos para os cumprimentos.

O novo ministro entrou para a magistratura por meio do quinto constitucional, na vaga destinada à advocacia. Lewandowski também integrou o extinto Tribunal de Alçada de São Paulo, é professor de Direito Público e havia acabado de entrar para o Órgão Especial do Tribunal de Justiça paulista.

Desembargadores do TJ paulista, colegas de Lewandowski, não economizaram elogios ao novo integrante do Supremo. Os desembargadores ressaltaram o trabalho do ministro na militância associativa da classe. Lewandowski já foi vice-presidente da Apamagis — Associação Paulista de Magistrados e da AMB — Associação dos Magistrados do Brasil.

Segundo os colegas de tribunal, o fato de Lewandowski ter militado na advocacia e na magistratura, contribuirá intensamente para o trabalho da Corte.

Dono da decisão

O novo ministro já tem definida uma missão: o voto de desempate no julgamento do mandado de segurança no qual se discute o teto salarial dos membros do tribunal. A decisão foi do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira (15/3).

Caberá a Lewandowski deliberar se os autores do mandado de segurança têm direito a receber um resíduo correspondente à diferença entre o teto salarial estabelecido em 2004, pelo ministro Maurício Corrêa (R$ 19.115,19) e os vencimentos percebidos por eles, à época, cujos valores ultrapassavam o teto.

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 16 de março de 2006, 19h56

Comentários de leitores

1 comentário

Só espero que não entre nessa terrível onda pol...

Luiz Augusto Mendes (Delegado de Polícia Estadual)

Só espero que não entre nessa terrível onda politicamente correta do "ativismo jurídico".

Comentários encerrados em 24/03/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.