Consultor Jurídico

Origem do crédito

Empresa de factoring arca com prejuízo de cheque de terceiros

Empresa de factoring que recebe cheque de terceiros como pagamento de prestadora de serviços deve arcar com o prejuízo na hipótese do documento ser sustado. Factoring é uma atividade comercial mista, que soma prestação de serviços à compra de ativos financeiros. O entendimento, por maioria, é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Os ministros seguiram entendimento da ministra Nancy Andrighi, relatora da questão.

A questão chegou ao STJ em Recurso Especial apresentado pela empresa de factoring Exata Assessoria Empresarial contra decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. Os desembargadores foram favoráveis ao consumidor que sustou dois cheques pré-datados pagos à loja D’flex Móveis e Decorações que foram, posteriormente, repassados à factoring. Os cheques foram anulados porque a D’flex não cumpriu sua parcela no contrato, deixando de entregar os móveis vendidos.

Ao julgar a questão, o Tribunal de Justiça acolheu a tese defendida pelo consumidor de que a pós-datação dos cheques lhes retiraria a característica de ordem de pagamento à vista, inviabilizando, portanto, a instrução de processo de execução. O TJ argumentou que a empresa de factoring sabia da inadimplência da prestadora de serviço "tendo inclusive se comprometido a devolver ao recorrido os cheques controvertidos". Os posteriores recursos interpostos pela sociedade de factoring não foram aceitos pelo TJ-DF.

A empresa de factoring recorreu ao STJ, através de Recurso Especial. Alegou violação dos artigos 13 e 32 da Lei 7.357/85 (Lei de Crédito) sob o argumento de que "o cheque, sendo considerado título de crédito, é autônomo em relação ao negócio subjacente que lhe deu origem".

A ministra Nancy Andrighi afastou o entendimento do TJ-DF e reiterou a jurisprudência do STJ que estabelece a validade das características cambiais dos cheques pré-datados. Para a ministra, "relevante é saber se, dada a autonomia e a independência do cheque consagrada no artigo 13 da LC, o emitente desse título pode opor a uma sociedade de factoring as exceções pessoais que disporia contra o portador anterior", explica. E encerrou a questão ao considerar correta a decisão que concluiu pela nulidade dos cheques, devido à ausência de entrega das mercadorias.

No voto, a ministra Nancy Andrighi ressaltou que "a indagação sobre a origem do crédito adquirido no âmbito de um contrato de faturização, longe de ser algo inusitado, faz parte da natureza do contrato de factoring". Essa medida, completa, "reduziria os riscos a que estaria exposta a sociedade faturizadora, na medida em que impediria que ela adquirisse créditos evidentemente inexistentes, como é a hipótese dos autos".

Resp 612.423

Leia a íntegra da decisão

RECURSO ESPECIAL Nº 612.423 — DF (2003/0212425-9)

RELATÓRIO

A EXMA. SRA. MINISTRA NANCY ANDRIGHI (Relator):

Cuida-se do recurso especial interposto por EXATA ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA, com fundamento na alínea "a" do permissivo constitucional, contra acórdão exarado pelo TJ/DF.

Ação: embargos à execução, opostos por RICARDO SANCHES SÃO PEDRO, ora recorrido, em face da recorrente, visando à decretação da nulidade de dois cheques pós-datados por ela emitidos.

A origem dos cheques está na contratação, pelo recorrido, da fabricação e entrega de móveis de uma sociedade de nome D'flex Móveis e Decorações Ltda.

O pagamento do preço por essa contratação havia sido ajustado em cinco parcelas, garantidas mediante a emissão de cinco cheques pós-datados.

Após descontados os três primeiros cheques, a sociedade D'Flex não entregou ao recorrido os bens adquiridos, levando-a a sustar, perante a instituição financeira sacada, o pagamento dos dois remanescentes.

Concomitantemente, o recorrido dirigiu-se a uma das unidades do Procon para iniciar procedimento administrativo tendente à solução da controvérsia.

O recorrido e a sociedade D'flex chegaram a um acordo em 21 de outubro de 1999, data em que se resiliu o contrato controvertido. Todavia, tendo em vista que a sociedade D'flex havia cedido os cheques a uma sociedade de factoring, ora recorrente, esta notificou o recorrido para que pagasse o valor consignado nos dois últimos cheques sustados.

O fundamento era o de que, sendo terceiro de boa fé, a faturizadora não poderia ficar vinculada às exceções pessoais que teria a emitente contra a sociedade com quem contratara. Da circulação do título deveria decorrer a inoponibilidade de tais exceções.

Em virtude dessa cobrança, novamente o recorrido dirigiu-se ao Procon para solucionar a questão. Nova reunião foi promovida, desta vez com a participação de um representante da sociedade faturizadora, e novo acordo foi firmado, pelo qual a D'flex se responsabilizou pelo pagamento dos títulos em aberto.

Com o inadimplemento desse acordo, a faturizadora, ora recorrente, ingressou com ação de execução em face do recorrido, ação essa cujos embargos deram origem a este recurso especial.

A alegação do recorrido é que a emissão de cheques para garantia de um contrato retiraria a natureza de ordem de pagamento à vista desses títulos. A recorrente, por sua vez, argüia que os cheques mantém suas características originais não obstante fossem pós-datados, e que quaisquer exceções não poderiam ser opostas a ela, na qualidade de portadora de boa fé dos títulos.

Sentença: julgou procedentes os embargos do devedor, sob o fundamento de que, em primeiro lugar, a pós-datação dos cheques lhes retiraria a característica de ordem de pagamento a vista. Em segundo lugar, argumentou que a faturizadora tinha ciência do inadimplemento do contrato pela faturizada, tendo inclusive se comprometido a devolver ao recorrido os cheques controvertidos.

Finalmente, sustentou que, sendo regulado pelo CDC o contrato que deu base à emissão dos cheques, o rigor da Lei nº 7.357/85 teria de ser abrandado.

Acórdão: negou provimento à apelação interposta pela sociedade

faturizadora, por acórdão assim ementado:

“EMBARGOS À EXECUÇÃO – TÍTULO EXTRAJUDICIAL –

CHEQUES – ENTREGA DA MERCADORIA – INOCORRÊNCIA –

NEGOCIAÇÃO DOS TÍTULOS – FACTORING – DECLARADA NULA A

EXECUÇÃO – INCERTEZA DOS TÍTULOS – APELO IMPROVIDO – MAIORIA.

Em se tratando de cheques pré-datados, não são eles hábeis a instruírem o Processo de Execução por Título Extrajudicial, por representarem, não uma ordem de pagamento à vista, mas mera promessa de pagamento, equiparáveis às Notas Promissórias e Duplicatas, representando, apenas, começo de prova escrita, podendo prestar-se à propositura de Ação Monitória ou de Conhecimento.”

Embargos infringentes: interpostos pela faturizadora, foram

improvidos pelo TJDF por acórdão assim ementado:

“EMBARGOS INFRINGENTES – CHEQUE PRÉ-DATADO –

PROMESSA DE PAGAMENTO A PRAZO – AQUISIÇÃO DE MERCADORIA NÃO ENTREGUE – REPASSE DO TÍTULO PARA EMPRESA DE

FACTORING – CARACTERÍSTICA DIVERSA DA MERA CIRCULAÇÃO DA CÁRTULA – RISCO POR CONTA DA FATURIZADORA.

1. O repasse de cheques pré-datados pelo comerciante a uma

empresa de faturização assume características diversas da mera circulação da cártula, pois, nesses casos, esta não foi simplesmente colocada no mercado, mas transferida diretamente do beneficiário original para o seu agente de factoring, que comprou o crédito nele consignado por um valor menor do que o efetivamente expresso, assumindo, em contrapartida, o risco pelo seu inadimplemento.

2. Embargos improvidos, por maioria.”

Recurso especial: interposto pela sociedade faturizadora, com fundamento na alínea “a” do permissivo constitucional.

Alega-se violação aos arts. 13 e 32 da Lei nº 7.357/85, porquanto o cheque, sendo considerado título de crédito, é autônomo em relação ao negócio subjacente que lhe deu origem.

É o relatório.

RECURSO ESPECIAL Nº 612.423 — DF (2003/0212425-9)

VOTO

A EXMA. SRA. MINISTRA NANCY ANDRIGHI (Relator):

I – Do prequestionamento

Apenas o art. 32 da lei nº 7.357/85 (LC) foi prequestionado de maneira expressa pelo acórdão recorrido.

Todavia, a autonomia e independência do cheque, que estão positivadas no art. 13 da mesma lei, são abordados de maneira aprofundada no acórdão, de forma que o Tribunal a quo conheceu da referida regra, ainda que de maneira implícita. Não se verifica, portanto, na hipótese, o óbice das Súmulas 282 e 356, do STF.

II – A delimitação da controvérsia

Os acórdãos recorridos (notadamente o que decidiu os embargos

infringentes), são bastante extensos, e analisam a controvérsia a partir de diversos pontos de vista.

Todavia, o que é verdadeiramente relevante é saber se, dada a autonomia e a independência do cheque consagrada no art. 13 da LC, o emitente desse título pode opor a uma sociedade de factoring as exceções pessoais de que disporia contra o portador anterior. Ou seja, trata-se de verificar se incide, na hipótese, a regra do art. 25 da LC, que dispõe:

“Art. 25. Quem for demandado por obrigação resultante de cheque não pode opor ao portador exceções fundadas em relações pessoais com o emitente, ou com os portadores anteriores, salvo se o portador o adquiriu conscientemente em detrimento do devedor.”

Isso porque o Superior Tribunal de Justiça já consolidou seu entendimento no sentido de que, mesmo pós-datado, o cheque mantém todas as suas características cambiais, não se convertendo em uma nota promissória ou qualquer outra modalidade de promessa de adimplemento.

A única conseqüência da pós-datação do cheque, consoante a jurisprudência desta Corte, é a postergação do prazo do art. 33 da LC, para apresentação da cártula para pagamento.

Nesse sentido há diversos precedentes deste Tribunal, do que são exemplo o REsp. nº 223.486/MG (DJ de 8/2/2000) e 195.748/PR (DJ de 15/6/99).

Por isso a parcela do acórdão impugnado que cuida da conversão ou não do cheque pós-datado em promessa de pagamento não assume relevância para o julgamento deste recurso especial.

A questão a ser resolvida diz respeito a analisar, sempre do ponto de vista do direito cambial e sem desconsiderar a eficácia natural do cheque, se há, ou não, qualquer elemento que permita a oposição, pelo recorrido, de exceções pessoais em face do recorrente, especificamente na cessão de crédito por operação de factoring. (III)

Os fundamentos do contrato de factoring e a ciência sobre a origem do crédito O contrato de factoring não se resume à mera cessão de títulos de crédito por endosso, mediante o pagamento de valor previamente acordado pelas partes. Esse é apenas um aspecto dessa figura contratual, que é muito mais rica e complexa.

O art. 15, inc. III, da Lei nº 9.249/95 define o factoring como a “prestação cumulativa e contínua de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção de riscos, administração de contas a pagar e a receber, compra de direitos creditórios resultantes de vendas mercantis a prazo ou de prestação de serviços.”

Ou seja, pela definição legal, vê-se que a atividade de factoring compõe um leque de serviços interligados.

Segundo Luiz Lemos Leite, “factoring é uma atividade complexa, cujo fundamento é a prestação de serviços, ampla e abrangente, que pressupõe sólidos conhecimentos de mercado, de gerência financeira, de matemática e de estratégia empresarial, para exercer suas funções de parceiro dos clientes” (“O contrato de factoring”, in Revista Forense, 253/458-9, apud Arnaldo Rizzardo, Factoring, 3ª ed., São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2004, pág. 16).

Disso decorre que é fundamental, para a caracterização do contrato de factoring, um envolvimento entre faturizadora e faturizada bem mais profundo que a mera transferência de títulos.

Há também a prestação de serviços de consultoria tendentes a, em última análise, otimizar a administração e o gerenciamento da carteira de clientes e dos créditos da sociedade faturizada.

Ora, sendo assim, não é razoável cogitar o completo desconhecimento, pela faturizadora, da situação de inadimplemento da sociedade faturizada.

Não seria de forma alguma infundado exigir que o faturizador, pela própria natureza dos serviços que deve prestar, perquira sobre a situação jurídica dos créditos que estão à base dos títulos que adquire por endosso.

Por um lado, tal providência iria ao encontro da obrigação do faturizador de orientar seu cliente para a manutenção de uma gerência financeira eficaz; por outro, reduziria os riscos a que estaria exposta a sociedade faturizadora, na medida em que impediria que ela adquirisse créditos evidentemente inexistentes, como é a hipótese dos autos.

Nesse sentido Arnaldo Rizzardo opina que “no factoring, há compra de crédito, ou do ativo de uma empresa, e não apenas de títulos.

Não se opera o simples endosso, mas a negociação do crédito”, complementando que “não é sem razão que se faculta ao factor a escolha dos créditos.

Ao receber o borderô dos títulos, tem ele a faculdade de rejeitar os que não lhe interessam. Com os títulos, acompanham e podem ser exigidos os comprovantes da entrega das mercadorias, o que infunde maior garantia ao negócio.” (op. cit., págs. 105 e121)

Disso tudo decorre que a indagação sobre a origem do crédito adquirido no âmbito de um contrato de faturização, longe de ser algo inusitado, faz parte da natureza do contrato de factoring.

A inexistência, portanto, do crédito representado pelo cheque endossado à faturizadora também poderá ser oponível a ela, conforme, inclusive, já decidiu o Superior Tribunal de Justiça:

“COMERCIAL E PROCESSUAL CIVIL. CHEQUE. INVESTIGAÇÃO DA CAUSA DEBENDI. CIRCUNSTÂNCIAS ESPECIAIS, QUE O PERMITEM. LEI N. 7.357/85. EXEGESE. HONORÁRIOS. FIXAÇÃO

EQÜITATIVA. CPC. ART. 20, §4º.

I – A autonomia do cheque não é absoluta, permitida, em certas circunstâncias, como a prática de ilícito pelo vendedor de mercadoria não entregue, após fraude notória na praça, a investigação da causa subjacente e o esvaziamento do título pré-datado em poder de empresa de 'factoring', que o recebeu por endosso. (...)” (REsp nº 434.433/MG, Rel. Min. Aldir Passarinho Junior, DJ de 23/6/03) IV)

O fundamento do acórdão impugnado: dever de informação Para incidência do art. 25 da LC é necessária a comprovação da má-fé do portador do título, ao adquirir o cheque.

A análise da ocorrência ou não da má fé necessariamente tem de ser feita à luz dos fatos que, nesta sede, não podem ser revolvidos por força da Súmula 7 deste Tribunal. Com relação a eles, estabelece o acórdão recorrido (fls. 90):

“(...) segundo se extrai dos documentos acostados aos autos, tal cuidado não foi tomado pela presente firma de faturização, que adquiriru os mencionados créditos mesmo sabendo que a prestadora de serviços, D'flex Móveis e Decorações Ltda. não estava conseguindo arcar com seus compromissos no mercado – estando devendo, inclusive, para a própria embargante, que já possuía, nessa época, notas promissórias vencidas emitidas pela referida loja (fls. 65)”

Ou seja, antes de mais nada, o que está estabelecido no voto da Desembargadora Relatora dos embargos infringentes é que a recorrente sabia que sua faturizada enfrentava dificuldades no mercado na ocasião em que os cheques sub judice foram transferidos.

Nada há, porém, com relação a estar ela ciente especificamente do fato de que, no negócio jurídico que deu causa a emissão dos títulos sub judice, havia inadimplemento.

Com efeito, o fundamento utilizado pelo acórdão recorrido para considerar a ocorrência da má fé da faturizadora foi sua negligência em buscar maiores informações antes de realizar o negócio, e não sua imediata ciência dos problemas que o maculavam. Essa conclusão se extrai da seguinte passagem do aresto impugnado:

“No momento da realização do negócio de factoring, a empresa

que adquire os cheques deve responsabilizar-se pela respectiva origem, pois não se lhe permite o reembolso dos títulos.

(...)

Ora, uma vez provado nos autos que a embargante agiu com culpa ao encaminhar os títulos para protesto e posterior execução sem tomar as devidas cautelas, sem verificar se houve realmente a prestação dos serviços que originaram as emissões, deve esta arcar com os prejuízos que lhe advieram em decorrência de sua própria falta de zelo”

Deve-se, portanto, analisar se essa obrigação de informação, especificamente nos casos de títulos adquiridos por empresas de factoring, pode dar lugar à incidência da regra do art. 25 da LC.

Como acima exposto, o STJ já reconheceu que a regra do art. 25 da LC não é absoluta, quando se trata de título de crédito adquirido por endosso derivado de operação de cessão de crédito à empresa faturizada.

A empresa de factoring, ao adquirir o faturamento da faturizada, total ou parcial, recebe em contrapartida remuneração consistente em redução ou deságio sobre os valores constantes dos títulos negociados e assume, para isso, os riscos pelo inadimplemento dos mesmos.

A assunção desse risco se dá porque o factoring não se resume a compra e venda do papel, mas tem como uma das atividades da faturizadora a adequação da carteira dos clientes.

Todavia, há que excepcionar tal regra, na medida em que a faturizada pode criar impedimento ao recebimento do crédito cedido, quer por ausência de prestação de serviços parcial ou totalmente, ou outro impedimento que torne inexistente ou ilegal a emissão do título de crédito.

O acórdão impugnado deixou expresso que o negócio que deu origem aos cheques não se concretizou por inadimplemento absoluto da faturizada.

Assim, provada a ocorrência do obstáculo ao recebimento do crédito, não há como se obrigar o embargante-recorrido a pagar os cheques que entregou à faturizada em contraprestação de uma obrigação que não foi cumprida.

A faturizadora que não poderá cobrar o cheque do recorrido-embargante deverá resolver a questão com base na relação jurídica que mantém com a faturizada, observado o regime da responsabilidade também conhecido por direito de regresso tudo de acordo com o contrato que faturizadora e faturizada mantêm.

É de suma importância que se pontue a tipicidade própria da relação jurídica denominada factoring especificamente no que concerne à impossibilidade do direito de regresso do faturizador em face do vendedor do crédito quando não recebe aquele o crédito que adquiriu.

Todavia, há exceções que devem ser apreciadas com cuidado,

especificamente quando se trata de dívida quanto à existência do crédito por falta de um dos elementos da compra e venda, por exemplo, o objeto, como é a hipótese sob julgamento.

Na hipótese sub judice, da análise dos autos ressai que:

(a) a faturizada não entregou as mercadorias adquiridas por meio dos cheques ora discutidos;

(b) pela natureza da atividade de factoring, a faturizadora teria

condições de estar ciente desse inadimplemento, notadamente tendo em vista a situação de notória dificuldade em que se encontrava sua cliente;

(c) não obstante tal inadimplência, ainda assim adquiriu os cheques ora discutidos por endosso;

Disso decorre, como conseqüência direta e imediata da aplicação do art. 25 da LC, que a circulação dos cheques na hipótese dos autos não afasta a possibilidade de o emitente opor à endossatária as exceções pessoais que tinha contra a endossante.

Não tendo havido a entrega das mercadorias, portanto, correta a decisão que concluiu pela nulidade dos títulos de crédito. Forte em razões, não conheço do recurso especial.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de junho de 2006, 13h11

Comentários de leitores

1 comentário

Irrefletida. É como se pode denominar a present...

Luís Fernando Barbosa Pasquini (Advogado Autônomo)

Irrefletida. É como se pode denominar a presente decisão do e. STJ. Em que pese os argumentos aduzidos pelos julgadores, não merecem eles prosperarem. É, pois, de clareza solar, a afronta a toda principiologia que modela os títulos de crédito, especificamente o princípio da autonomia e sua ramificações, quais sejam, a abstração e a inoponibilidade das exceções. Ora, cerrar os olhos a esses princípios é fomentar ainda mais a insegurança jurídica, principalmente no ramo de factoring que não possui, ainda, legislação própria, não obstante a existência de diversos dispositivos que norteiam a atividade. De mais a mais, é inviável a uma empresa de factoring consultar junto ao sacado ou ao emitente, todo título de crédito adquirido. E com mais razão o cheque, pois sua emissão é ato unilateral de vontade, ou seja, a sua circulação depende única e exclusivamente do emitente, que pode, até mesmo, impedi-lá. Assim, verificando a boa-fé da empresa de factoring (e em toda relação jurídica é a boa-fé que se presume), imprescindível a observância “ad litteram” do art. 25 da Lei Cheque.

Comentários encerrados em 30/06/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.