Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Queda de ações

Diminui número de ex-fumantes que processam fabricantes

Segundo dados divulgados pela fabricante de cigarros Souza Cruz, diminuiu o número de ex-fumantes que ingressam na Justiça com pedido de indenização. Em 2005, o número total de novos processos foi de 49, menor número desde 1999.

A empresa também levou a melhor na Justiça no ano passado. Conforme levantamento da fabricante, foram 53 decisões favoráveis e apenas uma desfavorável. Além disso, em 2005, 36 casos foram encerrados, todos com decisões favoráveis aos argumentos da Souza Cruz.

No quadro geral, o entendimento que tem prevalecido é o de que o consumidor tem o livre arbítrio para decidir se quer fumar ou não. Por isso, a fabricante não é obrigada a indenizá-lo pelos danos causados pelo tabaco.

Desde 1995, no Brasil foram proferidas 243 decisões envolvendo a Souza Cruz: 236 favoráveis e sete desfavoráveis. Dessas, 136 são definitivas — todas negando pedido de indenização. O estado com o maior número de processos é São Paulo, com 103. Rio Grande do Sul tem 60 e Santa Catarina, 41 ações.

“Já existe nos tribunais brasileiros um entendimento de que fumar é um ato de livre arbítrio e que os males relacionados ao consumo deste produto são amplamente conhecidos”, afirmou Antonio Rezende, diretor jurídico da Souza Cruz.

Nesta quinta-feira (2/2), o jornal Valor Econômico divulgou um balanço sobre o número de ações contra as fabricantes de cigarro. Segundo o jornal, o número de processos contra a Philip Morris também reduziu em 2005. Durante o ano, foram apenas nove ações contra um total de 75 desde 1995.

Revista Consultor Jurídico, 2 de fevereiro de 2006, 16h46

Comentários de leitores

1 comentário

É engraçado. O que será que acontece, no mundo ...

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

É engraçado. O que será que acontece, no mundo inteiro, com estas grandes empresas? Veja: se o consumidor estiver comendo um sanduíche na bar do seu Zé e cair uma môsca bem ali entre o hamburger e o alface, ah, é o maior escândalo! O consumidor mete a mão no seu Zé, processa o seu Zé e o Juiz diz que o seu Zé foi imprudente, que deve zelar pela limpeza do estabelecimento, e dá indenização para o consumidor. Estou exagerando? Não sei não... Mas a Souza Cruz, ora bem... fuma quem achar que deve, não é mesmo?

Comentários encerrados em 10/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.