Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Causa e efeito

Mulher processa ex-marido que escondeu que tinha Aids

Mulher que desiste de receber pensão alimentícia no processo de separação judicial não perde o direito de mover ação de indenização contra o ex-marido. O entendimento é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Os ministros garantiram a produção de provas a uma mulher para atestar que o ex-marido escondeu que era portador do vírus da Aids.

De acordo com o processo, a mulher abriu mão da pensão alimentícia e, em seguida, entrou com ação de indenização por desconhecer que o marido era soropositivo. Ela argumentou que só tomou conhecimento da situação no ato da separação judicial. Para sustentar o argumento, pediu a produção de provas.

A primeira instância negou o pedido. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais mudou a sentença. Considerou que negar a produção de prova caracterizaria cerceamento de defesa. “A apelante alega e procura provar um eventual comportamento lesivo intencional do apelado voltado à proliferação da Aids. A relação causa e efeito buscada pela apelante revela-se lógica e não pode ser suprimida”, decidiu a segunda instância.

A defesa do ex-marido recorreu ao STJ. Alegou que era juridicamente impossível o pedido de indenização e que a renúncia a pensão alimentícia implicaria em coisa julgada.

O relator, ministro Humberto Gomes de Barros, não acolheu o argumento. “Não há proibição no direito pátrio para pedido indenizatório — por danos materiais ou morais — contra ex-cônjuge por eventual ato ilícito ocorrido na constância do casamento. O artigo 129 da Lei do Divórcio trata de pensão alimentícia, que não tem qualquer relação com o pedido indenizatório por ato ilícito. Por isso, a renúncia em separação judicial não torna impossível pedido reparatório”, concluiu.

Revista Consultor Jurídico, 29 de dezembro de 2006, 15h12

Comentários de leitores

5 comentários

Ezac, Eu recomendaria bateria de exames per nu...

J.Henrique (Funcionário público)

Ezac, Eu recomendaria bateria de exames per nupciais também!

A Sindrome de Imunodeficiencia Adquirida é um q...

Ezac (Médico)

A Sindrome de Imunodeficiencia Adquirida é um quadro importante que pode levar ao óbito. Portanto o ex. marido tinha a obrigação de informar à esposa de sua situação e esta fazer a escolha. Por isto é recomendável a bateria dos exames pré nupciais.

Entendo ainda cometimento de hipótese de crim...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Entendo ainda cometimento de hipótese de crime. A moça tem que processar mesmo ! otavio augusto rossi vieira, 40 advogado criminal em São Paulo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/01/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.