Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Grandes Lagos

Advogado é acusado de subornar testemunha para proteger cliente

O advogado Mário Guioto Filho foi denunciado pelo Ministério Público Federal em São Paulo por corrupção de testemunha. Ele defende Alfeu Mozaquatro, um dos acusados na operação Grandes Lagos, que apura sonegação fiscal por parte de empresários.

Mário Guioto Filho foi preso pela Polícia Federal no dia 7, em São José do Rio Preto (interior de São Paulo). Para o MPF, Guioto agiu a mando do empresário Mozaquatro.

De acordo com a denúncia, Guioto Filho ofereceu R$ 1 milhão, no dia 27 de novembro, para que João Pereira Fraga, testemunha de acusação contra Mozaquatro, assumisse sozinho a propriedade da empresa Coperfrigo, na qual é sócio de Mozaquatro, e, conseqüentemente, respondesse por todos os crimes ali praticados.

Segundo o MPF, Guioto ofereceu também mais R$ 250 mil para que uma outra testemunha de acusação mentisse ao depor em juízo. O MPF conta que Fraga, assim que foi procurado pelo advogado de Mozaquatro, procurou a PF, que o orientou a gravar uma eventual nova conversa. De posse da gravação, o MPF pediu à Justiça Federal de Jales (interior de São Paulo) a prisão preventiva do advogado, que foi cumprida dia 7.

Na gravação, Guioto sugere que o dinheiro poderia ser pago em dólares e que Fraga poderia fugir e receber o valor em um paraíso fiscal. Mozaquatro está preso desde que a operação foi deflagrada, em 5 de outubro. O empresário está na cadeia de Monte Aprazível na região de Rio Preto (SP). O Ministério Público Estadual apreendeu um computador portátil na cela do acusado durante uma revista, após denúncia de que o dono do frigorífico usava o aparelho no interior da carceragem.

A Operação Grande Lagos foi iniciada em 2001 após denúncias acerca de um grande esquema de sonegação fiscal praticado por empresários da área de frigoríficos na região dos Grandes Lagos, interior de São Paulo. Levantamentos estimam que as organizações criminosas deixaram de recolher ao erário federal quantia superior a R$ 500 milhões.

Revista Consultor Jurídico, 17 de dezembro de 2006, 11h10

Comentários de leitores

3 comentários

E melhor que o churrasqueiro de Lula, apenas o ...

Comentarista (Outros)

E melhor que o churrasqueiro de Lula, apenas o falastrão FFHH, hoje humilhado mundialmente pelo sucesso absoluto de seu sucessor barbudo. Dizem que nem mesmo candidatos a presidência de condomínios querem a foto do falastrão em seus folders de campanha... De consolo, apenas o apartamento em Paris e a misericórdia de seus ex-patrões estadunidenses! Triste fim para um "intelectuóide"...

Melhor que esse adevogadu, apenas o churrasquei...

Ruberval, de Apiacás, MT (Engenheiro)

Melhor que esse adevogadu, apenas o churrasqueiro de Lula.

Puxa, isso é que é adevogado "bão", não é?...

Richard Smith (Consultor)

Puxa, isso é que é adevogado "bão", não é?

Comentários encerrados em 25/12/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.