Consultor Jurídico

Notícias

Voto de repúdio

OAB-SP repudia divulgação de conversa entre cliente e advogado

O Conselho da OAB paulista aprovou nesta segunda-feira (19/9), por unanimidade, dois votos de repúdio. Um contra o uso abusivo de algemas durante cumprimento de mandados de prisão. E outro contra a interceptação telefônica de conversa entre advogado e cliente, e sua divulgação.

No voto de repúdio, a entidade registrou que a divulgação da conversa é “prática ilegal, que viola as prerrogativas profissionais, trazendo danos irreparáveis à relação advogado-cliente, e ameaçando frontalmente a liberdade profissional, ao comprometer a confidencialidade da defesa e as garantias individuais dos cidadãos”.

O voto de repúdio é uma referência à divulgação das conversas de Paulo Maluf com seus advogados pela mídia. Os diálogos foram obtidos com autorização judicial e faziam parte do pedido de prisão apresentado da Polícia Federal.

Sobre o uso de algemas, o presidente da seccional paulista, Luiz Flávio Borges D’Urso, lembrou que o Brasil é signatário de vários tratados internacionais e, no mundo inteiro, o uso de algemas é interpretado restritivamente, somente sendo admitido quando há resistência do detido. D’Urso também defendeu a regulamentação urgente da matéria, que não possui lei específica.

Leia a íntegra dos votos

Contra a divulgação da interceptação telefônica

NOTA DE REPÚDIO

Interceptação telefônica entre advogado e cliente e sua divulgação

Levando em conta a gravidade do episódio, no qual o diálogo entre o advogado e seu cliente — protegido pelo sigilo profissional — foi objeto de interceptação telefônica, a OAB-SP vem a público repudiar e alertar que, igualmente grave, é a divulgação do conteúdo dessa conversa pela mídia televisiva, com reprodução do áudio, que revela total contrariedade à lei posta: tanto a Lei 9.296, que regulamenta a matéria; quanto a Lei 8.906/94, Estatuto da Advocacia, que em seu artigo 7, II, garante, em nome da liberdade de defesa, o sigilo profissional e as comunicações do advogado, inclusive telefônicas ou afins.

Assim sendo, o Egrégio Conselho Seccional da OAB-SP aprova VOTO DE REPÚDIO contra essa prática ilegal, que viola as prerrogativas profissionais, trazendo danos irreparáveis à relação advogado — cliente, e ameaçando frontalmente a liberdade profissional, ao comprometer a confidencialidade da defesa, e as garantias individuais dos cidadãos, em flagrante contrariedade aos princípios constitucionais e à legislação vigente no país.

São Paulo, 19 de setembro de 2005

CONSELHO SECCIONAL DA OAB-SP

Sobre o uso de algemas

A Constituição Federal, em seu artigo 1º, proclama que a República Brasileira é um Estado Democrático de Direito, no qual a dignidade da pessoa humana deve ser inteiramente respeitada (artigo 5º, III). Por isso, a OAB-SP alerta sobre a arbitrariedade que vem sendo perpetrada por agentes do Estado, infringindo constrangimento e humilhação desnecessários a cidadãos durante cumprimento de mandados de prisão.

Toda operação policial deve se restringir aos ditames da lei, evitando lesões aos direitos e garantias dos cidadãos, alguns que estão na condição de suspeitos ou acusados e amparados pelo princípio constitucional da presunção de inocência; outros, embora condenados também devem ter observada a preservação de sua dignidade.

O uso indiscriminado de algemas constitui um excesso, uma sanção infundada, que foge dos limites da lei brasileira e serve apenas para espetacularizar a diligência policial para a mídia e submeter à execração pública o cidadão que, embora detido, deve ter sua dignidade preservada, não podendo ser submetido a tal constrangimento irreparável, patrocinado por agentes do Estado, que têm o dever legal de garantir o cumprimento dos principais constitucionais e da legislação em vigor.

O Código de Processo Penal, em seu artigo 284 , estabelece que “não será permitido o emprego de força, salvo a indispensável no caso de resistência ou de tentativa de fuga do preso”. E, no artigo 292, esclarece que somente no caso em que houver resistência à prisão em flagrante ou determinada por autoridade competente, “o executor e as pessoas que o auxiliarem poderão usar de meio necessário para defender-se ou para vencer a resistência”

O Código de Processo Penal Militar é mais explícito. No artigo 234, parágrafo 1º, estabelece que “o emprego de algemas deve ser evitado, desde que não haja perigo de fuga ou de agressão da parte do preso, e de modo algum será permitido, nos presos a que se refere o artigo 242”, ou seja, os beneficiados por prisão especial.

Temos, portanto, de nos balizar por esses dois Códigos, uma vez que o artigo 199, da Lei de Execução Penal (Lei 7.210/84), afirma que “o emprego de algemas será disciplinado por decreto federal”, o que ainda hão ocorreu passados 20 anos da promulgação dessa lei. Mas, tramita na Câmara Federal projeto de lei do deputado e advogado Wagner Rubinelli, que estabelece os casos específicos para o uso de algema durante cumprimento dos mandados de prisão, proibindo sua utilização quando o réu for primário e com bons antecedentes, não resistir à prisão, não se tratar de prisão em flagrante e não empreender fuga. O projeto, que regulamenta matéria tão importante — torna-se extremamente oportuno e precisaria ser votado com urgência pelo Parlamento.

No Brasil, o emprego de algemas está previsto também na legislação que dispõe sobre segurança de tráfego em águas territoriais brasileira (Lei 9.537/97). O artigo 10, III estipula que o comandante da embarcação pode “ordenar a detenção da pessoas em camarote ou alojamento, se necessário com algemas, quando imprescindível para a manutenção da integridade física de terceiros, da embarcação ou da carga”.

É importante ressaltar que o Brasil também é signatário de tratados internacionais, como o Pacto de São José da Costa Rica, que prevê que ninguém será submetido a torturas, penas ou tratamento cruel, desumano ou degradante. “Toda pessoa privada da liberdade deve ser tratada com respeito devido à dignidade inerente ao ser humano”. (Artigo 5, 2)

Quando o agente do Estado não cumpre o que estabelece a norma jurídica do País e os tratados internacionais, dos quais o Brasil é signatário, o abuso — inclusive na utilização de algemas — deve, em tese, constituir crime, previsto na Lei de Abuso de Autoridade (Lei 4.898/65), que no artigo 4, alínea B, estabelece “submeter pessoa sob sua guarda ou custódia a vexame ou a constrangimento não autorizado em lei”, estando seu autor sujeito às sanções administrativa, civis e penais.

Assim sendo, diante das razões acima expostas, o Egrégio Conselho Seccional da OAB-SP aprova VOTO DE REPÚDIO a essa flagrante ilegalidade e violação constitucional, que tem se verificado com freqüência no Brasil, por ferir as garantias individuais, a dignidade humana e por atentar contra o Estado Democrático de Direito.

São Paulo 19 de setembro de 2003

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2005, 20h12

Comentários de leitores

4 comentários

Mais uma da OAB/SP. Primeiro, contra o poder d...

Rodrigo Pedrini Marcos (Assessor Técnico)

Mais uma da OAB/SP. Primeiro, contra o poder de investigação do MP. Depois, contra as operações da Polícia Federal (leia-se prisão da da dona da Daslu). Após, bastou o Maluf ir para a cadeia que a OAB/SP volta a bradar... E não poderia ser diferente, porque o D´Urso é um dos advogados da quadrilha, digo, da família Maluf. Onde houver dinheiro e um criminoso abastado, aí estará a Super-OAB/SP para defendê-lo, com desagravos, manifestos, repúdios, teses e engabelações jurídicas, para que nas prisões permaneçam apenas pretos, pobres e prostitutas! Está correta a (des)Ordem, porque não podemos jogar no lixo mais de CINCO SÉCULOS de história de impunidade para os ricos e influentes!

É uma absurdidade o abuso que as polícias de to...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

É uma absurdidade o abuso que as polícias de todo o Brasil vêm cometendo quando da prisão de cidadãos primários e com inocência presumida, o que vale dizer sem serem detidos em flagrante delito. Parece, até, que as polícias querem disseminar o temor às suas investidas. Claro que existem casos em que a força é indispensável, mas não indiscriminadamente. Além de inconstitucional e de ferir pactos internacionais, a lei ordinária aponta os casos em que tal medida não deve ser utilizada.

O controle externo da OAB se faz necessário. Tr...

Ricardo (Outros)

O controle externo da OAB se faz necessário. Trata-se de autarquia com poderes ilimitados. Não se sujeita a nenhum controle. Até ofensas a prerrogativas querem tornar crime. Coitados dos demais profissionais da área do direito.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/09/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.