Consultor Jurídico

Doação premiada

Meia-entrada para doadores de sangue é constitucional

A meia-entrada para doadores de sangue é constitucional. A opinião é do procurador-geral da República, Antonio Fernando. O procurador-geral da República opinou contra a Ação Direta de Inconstitucionalidade questionando a lei capixaba que institui meia-entrada em locais públicos para doadores de sangue. Proposta pelo governador do estado do Espírito Santo, a ação diz que a Lei 7.737 ofende os artigos 61, 84 e 199 da Constituição Federal.

O procurador-geral diz que a lei não afronta o artigo 199, que dispõe sobre o processamento e transfusão de sangue e derivados, porque a medida em nenhum momento permite a comercialização do sangue. A informação é da Procuradoria Geral da República.

O governador do Espírito Santo sustenta ainda que a lei fere os artigos 61 e 84, que tratam da administração pública. Antonio Fernando discorda e diz que a medida não cria nem extingue nenhum órgão da administração.

“A norma estadual, com intuito nobre e constitucional, quis incentivar a doação de sangue, possibilitando àqueles que a façam regularmente, e assim o comprovem, o pagamento de metade do valor total de ingressos para a entrada em locais públicos relacionados à cultura, esporte e lazer. Em nenhum momento, a norma permitiu a comercialização de sangue, e, caso permitisse, esta instituição manifestar-se-ia contra a medida”, garante o procurador-geral.

O parecer será analisado pelo ministro Eros Grau, relator do caso no Supremo Tribunal Federal.

ADI 3.512





Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de julho de 2005, 12h30

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/07/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.