Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

São Francisco no Brasil

Rio Grande do Sul permite união de pessoas do mesmo sexo

As pessoas de mesmo sexo que tenham uma união estável -- com ou sem compromisso patrimonial -- já podem registrar nos Cartórios de Títulos e Documentos, todos os papéis que digam respeito à relação. O registro terá efeitos perante terceiros e dará publicidade formal à união.

O corregedor-geral da Justiça no Rio Grande do Sul, Aristides Pedroso de Albuquerque Neto, considerando os termos do provimento nº 006/2004, da Corregedoria Geral da Justiça, proveu a inclusão de um parágrafo (único), no artigo 215 da Consolidação Normativa Notarial Registral.

O texto acrescentado prevê que "as pessoas plenamente capazes, independente da identidade ou oposição de sexo, que vivam uma relação de fato duradoura, em comunhão afetiva, com ou sem compromisso patrimonial, poderão registrar documentos que digam respeito a tal relação. As pessoas que pretendam constituir uma união afetiva na forma anteriormente referida também poderão registrar os documentos que a isso digam respeito".

A registradora-substituta do Cartório de Títulos e Documentos e Pessoas Jurídicas de Porto Alegre, Vera Lúcia Becker Bet, disse ao site Espaço Vital que "o provimento passa a facilitar a regularização da vida em comum de pessoas do mesmo sexo".

Leia a íntegra do provimento do corregedor-geral

PARECER Nº 006/2004

UNIÃO ESTÁVEL. PESSOAS DO MESMO SEXO. INCLUI PARÁGRAFO ÚNICO NO ARTIGO 215 DA CNNR-CGJ.

O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR ARISTIDES PEDROSO DE ALBUQUERQUE NETO, CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

CONSIDERANDO O TEOR DO PARECER EM EPÍGRAFE,

RESOLVE PROVER:

ART. 1º - INCLUI-SE O PARÁGRAFO ÚNICO NO ARTIGO 215 DA CONSOLIDAÇÃO NORMATIVA NOTARIAL REGISTRAL, COM O SEGUINTE TEOR:

"ART. 215

(...)

PARÁGRAFO ÚNICO - AS PESSOAS PLENAMENTE CAPAZES, INDEPENDENTE DA IDENTIDADE OU OPOSIÇÃO DE SEXO, QUE VIVAM UMA RELAÇÃO DE FATO DURADOURA, EM COMUNHÃO AFETIVA, COM OU SEM COMPROMISSO PATRIMONIAL, PODERÃO REGISTRAR DOCUMENTOS QUE DIGAM RESPEITO A TAL RELAÇÃO.

AS PESSOAS QUE PRETENDAM CONSTITUIR UMA UNIÃO AFETIVA NA FORMA ANTERIORMENTE REFERIDA TAMBÉM PODERÃO REGISTRAR OS DOCUMENTOS QUE A ISSO DIGAM RESPEITO.

ART. 2º - ESTE PROVIMENTO ENTRARÁ EM VIGOR NA DATA DE SUA PUBLICAÇÃO, REVOGADAS AS DISPOSIÇÕES EM CONTRÁRIO.

PUBLIQUE-SE.

CUMPRA-SE.

PORTO ALEGRE, 17 DE FEVEREIRO DE 2004.

DÊS. ARISTIDES P. DE ALBUQUERQUE NETO

CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA

REGISTRE-SE E PUBLIQUE-SE.

VALÉRIA GAMBORGI RODRIGUES.

SECRETÁRIA-SUBSTITUTA DA CGJ.

Revista Consultor Jurídico, 4 de março de 2004, 9h41

Comentários de leitores

15 comentários

Me esqueci de dizer que o fato de haver discord...

Wilson de Angelo Cunha ()

Me esqueci de dizer que o fato de haver discordância sobre uma coisa não signifca que ela esteja errada. Porque se for assim, então, o homossexualismo está errado. Pois existem muitas pessoas que discordam dele e algumas delas não são nem cristãs.

Sr. Wladimir, o que posso dizer é que ela é uma...

Wilson de Angelo Cunha ()

Sr. Wladimir, o que posso dizer é que ela é uma obrigação para todos os cristãos. Penso que existem pessoas que estão seguindo uma interpretação equivocada de textos bíblicos, sem considerar as regras da hermenêutica para tal propósito. Um princípio fundamental é que um texto deve ser interpretado dentro do seu contexto histórico e literário. Quando isso não é feito, as pessoas colocam na boca de Deus o que ele não disse.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/03/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.