Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

'Número assustador'

Pesquisa aponta que há 19 milhões desempregados na América Latina

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou nesta quarta-feira (7/1) uma pesquisa que apontou que existem 19 milhões de desempregados na América Latina. O presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Francisco Fausto, considerou o número "assustador".

"Acho que o resultado da pesquisa assusta e mostra que a falta de investimentos para a geração de empregos tem sido generalizada em toda parte do mundo", afirmou. Segundo ele, "aqui no Brasil podemos constatar que o desemprego vem subindo assustadoramente, ultrapassando a casa dos 13%, e isso é muito ruim até por que destrói o mercado interno."

A pesquisa demonstra que a recente recuperação na economia de alguns países da América Latina -- entre eles a Argentina -- não foi suficiente para melhorar a situação do emprego na região. Jovens e mulheres são os mais afetados pela crise. Além disso, nos países em que houve melhora na oferta de emprego -- caso do Chile e da Argentina --, a maioria das vagas foi preenchida por homens. Há informação de que os poucos postos de trabalho gerados não trouxeram melhorias para a qualidade do emprego. Houve aumento da informalidade, queda da renda e dos salários reais, aumento da carga horário e redução da produtividade.

Os jovens são os mais afetados pela crise do emprego que atinge os países da América Latina, segundo a pesquisa da OIT. O Brasil, ao lado de outros cinco países da região, está na lista dos que tiveram a situação piorada para os jovens em 2003. De acordo com a OIT, um em cada três jovens da região está desempregado.

De um total de nove países pesquisados (Argentina, Brasil, México, Chile, Uruguai, Venezuela, Costa Rica, Colômbia e Peru), a taxa de desemprego entre jovens chega ao dobro da taxa de emprego total -- que é de 11%. Em países como a Argentina e Chile, o desemprego juvenil aumentou, apesar de ambos os países terem registrado melhora na oferta de trabalho no ano passado. (TST)

Revista Consultor Jurídico, 7 de janeiro de 2004, 16h08

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 15/01/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.