Consultor Jurídico

Venda liberada

Ambev pode vender a cerveja Kronenbier, decide STJ.

A Ambev pode continuar a vender a cerveja Kronenbier. A decisão é do ministro Antônio de Pádua Ribeiro, do Superior Tribunal de Justiça, que concedeu liminar à empresa.

A venda da cerveja, que contém no rótulo a expressão "sem álcool", havia sido proibida no Rio Grande do Sul, por determinação da 15ª Vara Cível de Porto Alegre, a pedido da Associação Brasileira de Defesa da Saúde do Consumidor.

A associação entrou na Justiça com ação popular contra a Ambev, alegando que a empresa fazia propaganda enganosa, capaz de induzir a erro o consumidor. Isso porque o rótulo que assegura que a Kronenbier é uma cerveja "sem álcool".

Perícia realizada por determinação da Justiça apurou que, de fato, a cerveja possui 0,3% de conteúdo alcoólico, o que levou o juiz, com base no Código de Defesa do Consumidor, a determinar a suspensão da venda da bebida. A decisão foi mantida pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.

A fabricante entrou, então, com processo cautelar junto ao STJ, alegando que a inserção da expressão "sem álcool" no rótulo da cerveja é exigência da própria legislação. Afirmou, ainda, que esse teor alcoólico é tão baixo que nenhuma influência negativa pode causar no organismo, mesmo em pessoas sensíveis ao álcool, como crianças, doentes, alcoólatras.

Também afirmou que outros alimentos, como até mesmo pães e sucos, podem apresentar um teor alcoólico mais elevado do que o encontrado na Kronenbier. E ainda invocou o princípio da isonomia, porque não há restrição a outras cervejas nacionais e estrangeiras comercializadas na mesma classificação de cerveja leve sem álcool.

Ao conceder a liminar, o ministro Pádua Ribeiro afirmou que, embora ao se decidir entre a saúde do consumidor e a conduta do fornecedor, a balança da Justiça deve sempre inclinar-se em favor da primeira. No caso, foi a própria administração pública que classificou como cerveja sem álcool a bebida cujo teor alcoólico não ultrapasse 0,5% em volume.

O teor alcoólico encontrado na Kronenbier está abaixo desse teto. O volume de álcool encontrado na cerveja é menor até mesmo do que foi fixado, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, para medicamentos destinados a crianças.

Para Pádua Ribeiro, ponderadas essas questões, "mostra-se razoável a alegação da requerente no sentido de que o teor alcoólico da cerveja em questão é inofensivo". E afirmou que nocividade ou não do álcool em tais quantidades é uma questão a ser examinada com base nas provas produzidas, quando do julgamento do recurso da empresa.

MC 8.154




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de abril de 2004, 9h43

Comentários de leitores

1 comentário

Diferentemente da Schin, a Ambev mostra que pos...

Igor Garcia ()

Diferentemente da Schin, a Ambev mostra que possui um corpo jurídico de primeira, logo a famigerada Schin, além de fazer uma cerveja ruim, contrata mal.

Comentários encerrados em 06/05/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.