Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Situação caótica

Ensino jurídico no Brasil é caótico, diz Busato em Portugal.

Ao participar da reunião quinzenal do Conselho Superior da Ordem dos Advogados de Portugal (OAP), o presidente nacional da OAB, Roberto Busato, criticou duramente o que chama de indústria do ensino jurídico existente no Brasil e afirmou que 80% dos bacharéis de Direito que se submetem todos os anos ao exame de Ordem não conseguem aprovação.

"O nosso ensino jurídico é caótico", disse. Para Busato, o percentual de reprovação demonstra que os cursos de direito no país estão mais preocupados com o recebimento das mensalidades do que com o aprendizado.

O presidente da OAB frisou que não é apenas no exame de Ordem que o bacharel em Direito demonstra despreparo jurídico. "Nos exames para preenchimento de vagas para juízes, a maioria dos candidatos também não consegue aprovação".

No encerramento de sua visita, Roberto Busato aceitou o convite do presidente da OAP, José Miguel Júdice, e fará a sua inscrição junto à Ordem de Portugal. O advogado sergipano Raimundo Cezar Britto, secretário-geral do Conselho Federal, também irá se filiar à Ordem portuguesa.

Com o encontro na OAP Busato e Cezar Britto encerraram a visita de uma semana a Cabo Verde e Portugal. Os dois dirigentes da OAB retornam ao Brasil neste sábado (17/4). (OAB)

Revista Consultor Jurídico, 16 de abril de 2004, 16h41

Comentários de leitores

5 comentários

Interessante a posição externa do digno represe...

Diócles Castro da Silva (Bacharel - Ambiental)

Interessante a posição externa do digno representante nacional da OAB! Porque o mesmo usando do cargo que possui juntamente com o MEC não "fecham" as Universidades tipo E e D. Pois não é justo, que após permanecer 5 anos numa instituição devidamente reconhecida pelo MEC, você tenha que prestar Exame para exercer a profissão com a qual sonhou! Se a Universidade te fez medíocre a sociedade não o aceitará como operador do Direito. É questionável o papel discriminatório exercido por essa autarquia que deveria Fiscalizar ao invés de Aprovar os bacharéis. "Fora com o Exame Nacional da Ordem". Deixem com que a Sociedade fique com os competentes e exclua aqueles que não atuam conforme o preconizado por esta mesma Ordem. Qual o papel constitucional de uma autarquia? É fazer provas? Portanto, Dr. Busatto - enquanto as Universidades estiverem ganhando com um monte de estudantes de Direito, a OAB também continuará ganhando com do ditos Exames. Aliás, publicar estatísticas de aprovação é fácil! Difícil é conviver com este estado de coisas em uma organização que trata de Justiça, Moral e Ética. Diócles Castro da Silva Bacharel em Direito pela UNIPAR - Toledo - Pr.

Ilustre Presidente Nacional da Ordem dos Advoga...

Ronha (Servidor)

Ilustre Presidente Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, sabemos de toda a realidade sobre o ensino jurídico no Brasil, sobre a proliferação das Universidades, a não aprovação no Exame de Ordem bem como a não aprovação nos concursos para a magistratura, porém, a vossa execelência não cabe criticar-nos internacionalmente, violando princípios de direitos humanos, a vossa execelência cabe nos apoiar para uma solução consistente para que, tal vício seja sanado. Então, pensamos, se o próprio representante da classe dos advogados não nos merece, em quem devemos acreditar para a melhora da nossa merecedora Classe dos Advogados? Sinceramente. Amanda Ronha

Concordo plenamente com o comentário do Exmo. S...

Juacilio Pereira Lima (Estudante de Direito)

Concordo plenamente com o comentário do Exmo. Sr.Juiz Homero Benedicto Ottoni Netto, e acrescento que o atual representante dos Advogados, o Presidente da OAB Dr. Busato, faltou com a "Ética" para com os colegas.O comentário lá fora foi lamentável.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.