Consultor Jurídico

Juros Bancários

Reflexões Sobre as Decisões no Rio Grande do Sul

Por 

Como advogado do Banco do Estado do RGS há aproximadamente 10 anos, tive a oportunidade vicenciar uma das primeiras decisões do Tribunal Gaúcho a respeito da pseudo limitação dos juros compensatórios nos contratos bancários, aqueles cobrados pelos riscos do empréstimo de dinheiro. Desde aquela época os Tribunais de Justiça, inicialmente competentes, e o de Alçada, até bem pouco tempo em razão da fusão, adotavam posições diferentes. O primeiro, diga-se mais formal à lei, não admitia a limitação até mesmo porque, Política Econômica, leia-se também Mercado Financeiro, é de competência do Executivo. Já o Tribunal de Alçada, em decisões de vanguarda em relação a outros Tribunais, adotou a idéia da limitação, quer pela aplicação de decreto do início do século, quer pela abrogação da lei de reforma bancária editada na década de 60 em razão da auto-aplicabilidade de dispositivo constitucional. Assim como presenciei o início destas decisões de vanguarda, desde lá elaboro teses para meu cliente sobre a impossibilidade ou inviabilidade da limitação dos juros bancários, obtendo invariavelmente ganho de causa até mesmo no RS onde, por ora, com a fusão dos Tribunais Gaúchos, o tema parece estar novamente dividido. Não obstante o entendimento claro do STF e do STJ quanto a efetiva não limitação dos juros bancários (os remuneratórios ou compensatórios), o Tribunal do RS, quando algum recurso às últimas instâncias é obstado ao seu destino, até mesmo por falha técnica, está julgando o direito em parâmetros diversos da federação, o que provoca uma situação inusitada em termos de finanças e economia pública; o RS possuí um sistema financeiro diverso do sistema financeiro nacional onde os juros pelos empréstimos são pagos, pelos devedores, em descompasso aos pagos na sua captação e encarecidos por inúmeras determinações do BACEN (v.g. compulsório, empréstimos com juros limitados por leis de exceção, tais como empréstimos habitacionais etc.). O mais interessante é que, se não houver uma uniformização definitiva também no RS, estará havendo verdadeira intromissão de um Poder sobre outro, ou seja, o judiciário tomando decisões de ordem econômica enquanto que, para o resto do país, fática e constitucionalmente de atribuição do Executivo Federal - União. Algo, diga-se, semelhante a regular-se o mercado internacional através de leis.




Topo da página

 Advogado do Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.

Revista Consultor Jurídico, 21 de outubro de 1998, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/10/1998.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.