Consultor Jurídico

Investimento imobiliário

Fundos de investimento imobiliário

O Fundos de Investimento Imobiliário, são voltados à captação de recursos no mercado mobiliário, destinados à aplicação em empreendimentos no setor imobiliário, tais como a construção de imóveis, aquisição de imóveis prontos ou investimentos em projetos visando viabilizar o acesso à habitação e serviços urbanos, inclusive em áreas rurais, para posterior alienação, locação ou arrendamento.

O funcionamento de tais fundos é semelhante ao dos fundos mútuos de ações, mas ao invés de ter como lastro ações de empresas, tais fundos investem necessariamente em imóveis. Essa forma de aplicação e investimento foi devidamente incentivada, desde a sua criação, com uma isenção de tributos, nos termos do art. 16 da Lei n.º 8.668, de 25 de junho de 1993.

Todavia, dada a implementação de inúmeros planejamentos fiscais utilizando-se de fundos de investimento imobiliário, o art. 19 da Lei 9.532/97 determina que tal isenção somente se aplica ao fundo de investimento imobiliário que, além das previstas na referida Lei, atenda, cumulativamente, às seguintes condições adicionais:

I - seja composto por, no mínimo, vinte e cinco quotistas;

II - nenhum de seus quotistas tenha participação que represente mais de cinco por cento do valor do patrimônio do fundo [à exceção das entidades seguradoras ou de previdência privada abertas ou fechadas, nos termos do § 6º do art. 19];

III - não aplique seus recursos em empreendimento imobiliário de que participe, como proprietário, incorporador, construtor ou sócio, qualquer de seus quotistas, a instituição que o administre ou pessoa ligada a quotista ou à administradora.

Para tais fins, considera-se pessoa ligada:

a) à quotista, pessoa física, a empresa sob seu controle ou de qualquer de seus parentes até o segundo grau;

b) à quotista, pessoa jurídica, e à administradora do fundo:

1.A pessoa física que seja sua controladora, conforme definido no § 2º do art. 243 da Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e os parentes desta até o segundo grau;

2. a pessoa jurídica que seja sua controladora, controlada ou coligada, conforme definido nos §§ 1º e 2º do art. 243 da Lei n.º 6.404, de 1976.

O fundo de investimento imobiliário que não se enquadrar nas condições a que se refere este artigo fica equiparado à pessoa jurídica, para efeito da incidência dos tributos e contribuições de competência da União. É responsável pelo cumprimento das obrigações tributárias do fundo a entidade que o administrar, nesse caso a instituição financeira administradora do fundo.

Os fundos de investimento imobiliário existentes na data da publicação da Lei 9.532/97 terão prazo até 31 de dezembro de 1998 para se enquadrar nas condições acima, parecendo que essas alterações acabarão por reduzir o interesse de parte do mercado por essa sistemática de investimento, praticamente inviabilizando os fundos em questão.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 22 de janeiro de 1998, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/01/1998.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.