Juiz: cidadão pela metade

Juiz: cidadão pela metade

Autor

11 de fevereiro de 1998, 23h00

Sem categoria

Em época de reforma constitucional, quando se pretende alterar as regras para aqueles que já estão no mercado de trabalho, muito se tem discutido quanto à aposentadoria dos juízes. Sustentam alguns que o juiz quando se aposenta se trata de um cidadão comum, por isso, argumentam que as regras que se aplicam a todos os trabalhadores também devem ser as mesmas para os juízes. A situação não é tão simples como parece!

Todo trabalhador que contribui 30 ou 35 anos para a previdência deve ter o direito de receber aposentadoria integral, independentemente de qual seja sua atividade. Não foi ele que fez o rombo na previdência! Não foi o funcionário público que arrombou os cofres da Administração Pública! Por que temos que pagar a conta?

Todo cidadão nacional, por previsão constitucional, pode exercer livremente qualquer profissão ou ofício. Pode e deve exercer seus direitos políticos, votando e sendo votado. Para possibilitar uma vida digna, pode executar quantas atividades profissionais tiver capacidade e, ainda, eleger-se para ocupar cargo público. A situação do juiz não é semelhante a dos demais. O juiz pode menos.

Nos termos do artigo 95, parágrafo único, da Constituição da República ao juiz é vedado exercer, ainda que em disponibilidade, qualquer cargo ou função, salvo o magistério. É vedado também se dedicar a atividade político-partidária. O artigo 36 da Lei Complementar 35, de 14 de março de 1979, expressa que o juiz é vedado de exercer o comércio ou participar de sociedade comercial, inclusive de economia mista, ou cargo de direção ou técnica de sociedade civil, associação ou fundação, de qualquer natureza ou finalidade.

Que cidadão é esse? Só pode exercer a sua atividade de judicatura e, no máximo, uma função de magistério. Portanto, como igualar os magistrados com aqueles que podem ter várias profissões e ainda exercer atividade político-partidária? O tratamento que se pretende dar ao juiz é injusto e desigual, porque a ele são impostas vedações que não atingem outras profissões e depois querem igualar para prejudicar.

Se o juiz merece receber tratamento igual a todos os trabalhadores, que lhe seja dado também o direito de ser um cidadão em toda sua plenitude, permitindo-lhe outras atividades como, por exemplo, o comércio ou a concessão de rádio, televisão.

Que se permita ao juiz exercer atividade político-partidária, para que seja um cidadão de verdade. Como toda pessoa humana o juiz tem suas preferências partidárias. Se é justo que as regras da aposentadoria o atinjam, como qualquer outro cidadão, é justo que tenha também os mesmos direitos: isto é, que possa votar e ser votado e exercer qualquer outra atividade além da magistratura.

Aos integrantes do Congresso Nacional e até aos do Poder Judiciário, que pretendem tratar o juiz como um cidadão pleno, que abracem esta idéia e proponham reforma constitucional para afastar as vedações que o tornam UM CIDADÃO PELA METADE.

Autores

Tags:

Encontrou um erro? Avise nossa equipe!