Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Com sigilo

Fachin homologa acordo de delação do doleiro Lúcio Funaro

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, homologou nesta terça-feira (5/9) o acordo de delação premiada do empresário e doleiro Lúcio Funaro com a Procuradoria-Geral da República. Ele está preso há mais de um ano no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal.

Com a homologação, caberá a PGR usar os fatos delatados pelo empresário nas investigações envolvendo os processos a que o colaborador está envolvido, podendo basear acusações contra parlamentares, ministros do governo e o presidente Michel Temer. O conteúdo da delação ainda continua sob sigilo. 

Funaro é processado pela Justiça Federal em Brasília em três investigações da Polícia Federal (greenfield, sépsis e a cui bono) que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). O empresário também foi citado nas delações da JBS.

Funaro é testemunha-chave em processos que envolvem o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima. Com informações da Agência Brasil

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2017, 22h12

Comentários de leitores

1 comentário

De novo? Até quando?

LRP (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Este delinquente vai se safar de novo?
Depois de estar envolvido em quase todos os grandes casos de corrupção e operações da PF, só as que me recordo são: BANESTADO, CORREIOS, MENSALÃO, SATHIAGRAHA, BANCOP, THEMIS, SEPSI, CUI BONO,GREENFIELD, LAVA A JATO....
Mais uma vez ele faz acordo e continua delinquindo até a próxima?
Acho que ele estava certo quando dizia " Sou homem do MP ninguém mexe comigo"

Comentários encerrados em 13/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.