Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Período de estabilidade

Trabalhador será indenizado por acidente ao voltar de exame médico demissional

Uma empresa de alimentos foi condenada pela 1ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho a pagar indenização substitutiva ao período de estabilidade a um trabalhador que sofreu acidente de carro quando retornava do exame médico demissional. Para a 1ª Turma, o acidente ocorreu no curso do aviso prévio indenizado, caracterizando acidente de percurso.

O trabalhador foi dispensado em julho de 2009, e, como não compareceu para receber as verbas rescisórias, a empresa ajuizou ação de consignação em pagamento na 1ª Vara do Trabalho de Teresina. O escriturário, por sua vez, apresentou pedido de reconvenção afirmando que, devido ao acidente, ficou sem poder trabalhar por 60 dias devido a uma fratura do antebraço. Segundo ele, “só descobriu que sofrera acidente de trabalho no momento da homologação da rescisão”. Pediu, assim, o reconhecimento do direito à estabilidade acidentária.

O juízo de primeiro grau acolheu o pedido de reconvenção e condenou a empresa ao pagamento da indenização substitutiva, composta de 12 meses de salários e férias, terço constitucional, 13ª e outras verbas. O Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região (PI), porém, considerou indevida a estabilidade por entender que o contrato de trabalho estava extinto, uma vez que o acidente ocorreu um dia após ele ter sido informado da rescisão.

Para o relator do recurso do escriturário no TST, ministro Hugo Carlos Scheuermann, o acidente ocorreu quando ele realizava ato que diz respeito à extinção contratual, que é o exame demissional. Assim, entendeu caracterizado o acidente de percurso para fins do artigo 118 da Lei 8.213/91, que trata da garantia do emprego. Em seu artigo 21, inciso IV, alínea "d", essa lei, que dispõe sobre a Previdência Social, equipara a acidente de trabalho o acidente sofrido pelo segurado "no percurso da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção, inclusive veículo de propriedade do segurado".

O ministro assinalou ainda que, considerada a projeção do aviso prévio indenizado, o contrato de trabalho ainda não estava extinto no momento do acidente. Dessa forma, restabeleceu a sentença. A decisão foi unânime. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Processo 132600-33.2009.5.22.0001

Revista Consultor Jurídico, 23 de março de 2017, 16h16

Comentários de leitores

2 comentários

desvio de finalidade

Nelson Cooper (Engenheiro)

O objetivo da estabilidade acidentária é evitar que o bom empregado ( que a empresa não tem interesse em desligar a curto prazo), afastado por acidente de trabalho, seja demitido tão logo retorne.
Seria natural que uma empresa , após ficar sem o empregado durante um longo período, chegasse a conclusão que o seu trabalho não seria mais necessário.
O que seria injusto pois o empregado não tem culpa de ter sido afastado.
Portanto , a estabilidade de um ano tem como objetivo dar ao empregado a chance de mostrar o seu valor. Se após um ano ele alcançou o objetivo, ele fica. Se não, ele é demitido.
No caso em questão a empresa já manifestou e oficializou a demissão. A empresa já não precisa dos serviços do empregado e, portanto, não tem sentido ele ter uma estabilidade de um ano para mostrar algo que a empresa já se definiu e tomou uma posição.

Especializada

O IDEÓLOGO (Outros)

Mais uma interpretação jurídica da Especializada, totalmente equivocada.
Adiós, Justiça do Trabalho.

Comentários encerrados em 31/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.