Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fim da vitaliciedade

Cortes superiores devem ter mandato de 10 anos, diz Técio Lins e Silva

O presidente nacional do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Técio Lins e Silva, defende o fim da vitaliciedade dos magistrados das cortes superiores e a substituição dela por mandatos de 10 anos.

Para Técio Lins e Silva, mandatos de 10 anos ajudariam a oxigenar tribunais.
Reprodução

De acordo com o presidente do IAB, “o fim da vitaliciedade será uma medida salutar, porque irá oxigenar as cortes superiores brasileiras, nas quais, hoje, os magistrados que nelas ingressam entre 35 a 40 anos de idade podem permanecer de três a quatro décadas no cargo até a aposentadoria compulsória aos 75 anos”.

Em sessão ordinária no instituto na semana passada, Lins e Silva argumentou que a composição das cortes deve continuar sendo de livre nomeação pelo presidente da República, mas criticou a forma como é feita no Senado a sabatina dos indicados a integrá-las.

“O Senado tem que deixar o compadrio e passar a realizar sabatinas de verdade, como ocorre nos países desenvolvidos, onde, aliás, em vários deles, não existe a vitaliciedade para os magistrados das cortes superiores”, acrescenta.

Segundo Técio Lins e Silva, o modelo adotado no Tribunal Superior Eleitoral e no Conselho Nacional de Justiça, cujos integrantes ocupam os cargos por um período determinado, “é o ideal também para todas as cortes superiores”. Nessas cortes, os mandatos são de dois anos, sendo admitida uma recondução a mais um biênio.

Além disso, o presidente do IAB é favorável à adoção de mandatos de 10 anos para os que se tornam membros dos tribunais nas vagas reservadas, por meio do quinto constitucional, aos advogados e membros do Ministério Público. “A experiência tem demonstrado que a maior parte dos advogados que se tornam magistrados pelo quinto constitucional, ao vestir a toga, esquece a sua origem e despreza as prerrogativas dos seus antigos colegas, que às vezes não conseguem por eles ser recebidos.”

Revista Consultor Jurídico, 22 de março de 2017, 16h28

Comentários de leitores

3 comentários

Correção - "Concordo até certo ponto"

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Corrigindo o título do comentário.

Conordo até certo ponto

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Congratulações ao Dr. Técio Lins e Silva. Concordo que os desembargadores e ministros devem ter mandato. E serem eleitos. Por todos os cidadãos ou pela comunidade jurídica, isso deve ser objeto de debate. No entanto, por diversas razões de ordem prática, sou favorável a um mandato de oito anos. É o prazo do mandato de um Senador e quando houvesse eleição seria aproveitada a estrutura para eleger o desembargador ou ministro. Só estariam habilitados a candidatar-se, aqueles que tivessem sido aprovados em concurso público para aferir o notável saber jurídico.

Correto!

José R (Advogado Autônomo)

Eso mismo y no más!

Comentários encerrados em 30/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.