Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Inscrição garantida

Concurso só pode exigir exame psicotécnico se houver previsão legal

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, determinou que um candidato inabilitado na fase de exame psicotécnico prossiga em concurso público da Polícia Militar de São Paulo. A liminar suspendeu decisão da Justiça paulista que julgou válida a eliminação. O ministro considerou plausível o argumento do candidato de ofensa à Súmula Vinculante  44, segundo a qual “só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habilitação de candidato a cargo público”.

O caso teve origem em mandado de segurança impetrado pelo candidato contra sua eliminação do concurso.  Contudo, o juízo 6ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de SP rejeitou o pedido sob o entendimento de que a realização de exames psicotécnicos para ingresso na carreira policial militar está prevista no Decreto estadual 54.911/2009. O edital fazia essa referência expressamente. No STF, o candidato alega que a previsão de exame psicotécnico consta apenas do decreto, mas não tem previsão em lei. Diante de tal ausência, haveria ofensa à súmula.

O ministro explicou que o STF há muito tempo consolidou o entendimento segundo o qual apenas por lei a administração pública pode submeter os candidatos em concurso público ao exame psicotécnico como requisito para o ingresso no cargo. Segundo Fachin, diversos precedentes aplicam esse entendimento aos concursos públicos para a Polícia Militar, não verificando, em análise preliminar do caso, qualquer distinção que pudesse afastar a orientação do STF. Para o ministro, a exigência do exame psicotécnico apenas em decreto não atende a necessidade indicada do tribunal. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Rcl 25209

Revista Consultor Jurídico, 19 de março de 2017, 17h16

Comentários de leitores

1 comentário

Súmula vinculante

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Por qual motivo este tema dentre outras dezenas não estão em súmula vinculante?
.
O Judiciário está repleto de ações/recursos que poderiam ter um fim com uma súmula vinculante.
.
Ao que parece, o Judiciário, em especial, o STF não está muito preocupado com morosidade e volume de processos.
.
Tenho certeza que se editassem 20 súmulas vinculantes por ano, o Judiciário daria um enorme salto em eficiência e rapidez.
.
Tem juiz, mesmo passados anos em que suas decisões foram reformadas pelo tribunal, continuam a sentenciar como se nada tivesse acontecido.
.
Se tivessem muito mais súmulas vinculantes, a ação já não passava da primeira instância pois o juiz não poderia criar achismos e viver contrariando, muitas das vezes, as leis.

Comentários encerrados em 27/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.