Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novos requisitos

Certidões fiscais só são requisitos para recuperação judicial depois de 2014

Empresas que pedem recuperação judicial só foram obrigadas a apresentar certidões de regularidade fiscal a partir da Lei 13.043/2014. Antes da norma, não é possível exigir do contribuinte algo que não estava regulamentado. Assim entendeu a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça ao manter recuperação iniciada em 2013, sem que a companhia apresentasse os documentos.

A Fazenda Nacional queria anular todo o processo pela falta das certidões no processo. O Fisco alegou que o deferimento do pedido violou os artigos 57 da Lei 11.101/05 (Lei de Falências) e 191-A do Código Tributário Nacional, que preveem a apresentação de certidões negativas. Segundo a Fazenda, a regularidade fiscal é pré-requisito da recuperação mesmo antes da mudança legislativa, por ser uma decorrência lógica do processo.

Já a relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi, disse que a legislação anterior a 2014 até mencionava a necessidade de certidões, mas, na prática, tal exigência era inviável. Ela afirmou que não há espaço para uma interpretação literal e restrita da legislação vigente à época, e é necessário refletir sobre a finalidade do instituto da recuperação judicial, o que leva à conclusão pela dispensa das certidões.

“Em síntese, não seria exigível do devedor tributário, que pretende a recuperação judicial, a apresentação de certidões de regularidade fiscal quando ausente legislação específica que discipline o regime do parcelamento tributário em sede de recuperação”, declarou a ministra, citando precedente da Corte Especial do STJ anterior à Lei 13.043/14.

A relatora disse ainda que a Fazenda só tratou da mudança legislativa de 2014 no recurso ao STJ, sem levar prequestionamento do assunto na corte de origem. Ela afirmou que, embora o assunto tenha “inegável importância”, não é possível analisar esse ponto, já que seria indevida supressão de instância, vedada pela Súmula 211 do STJ. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Clique aqui para ler o acórdão.
REsp 1.658.042

Revista Consultor Jurídico, 23 de junho de 2017, 17h47

Comentários de leitores

1 comentário

Legislação criminosa

Euclides de Oliveira Pinto Neto (Outros - Tributária)

Quando a empresa apresenta dificuldades para o normal funcionamento, o atraso de pagamentos de suas obrigações, inclusive obrigações fiscais e parafiscais, privilegia sempre o cumprimento dos encargos necessários para continuar a funcionar, como salários e fornecedores. É natural, pois são fundamentais, caso contrário fecharia de imediato. Qualquer administrador busca sempre as soluções mais adequadas, pois o Fisco sempre pode prorrogar a exigibilidade para receber os seus haveres, que vêm acrescidos de pesadas multas, juros e correções de moeda, porém permite às empresas folga no seu giro comercial. A exigência de apresentação das certidões tributárias negativas mostra desconhecimento do legislador da rotina empresarial, e foi inserida na nova lei por burrice, ou os mesmos estão agindo com a intenção de destruir as pequenas e médias empresas - que me parece a real intenção. As grandes empresas possuem influência para realizar fusões com outros grupos, obter recursos subsidiados através de organismos estatais (BNDES- dinheiro público) ou criam-se mecanismos para doar patrimonio do povo brasileiro com o objetivo de cobrir rombos colossais, conforme recente modificação encaminhada ao Congresso. Aqui na Republica da Banania somente os grandes, poderosos e mafiosos se dão bem.

Comentários encerrados em 01/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.