Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ataques contra advogados

OAB programa campanha para melhorar imagem da advocacia

A Ordem dos Advogados do Brasil vai lançar uma campanha para esclarecer a sociedade brasileira sobre o real papel dos advogados. A iniciativa foi aprovada pelo colégio de presidentes de seccionais da entidade, durante reunião nessa quinta-feira (12/5), em Brasília. Na ocasião, o presidente do Conselho Federal da OAB, Claudio Lamachia, disse que a advocacia tem sido atacada todos os dias de forma inaceitável. Na avaliação dele, a campanha é necessária.

“Por incrível que pareça, muita gente desconhece o significado do papel do advogado. Precisamos desenvolver uma campanha com esclarecimentos sobre nossa atividade, o que significa nossa profissão como atores do processo judicial e representantes da sociedade”, afirmou.

Felipe Santa Cruz, presidente da seccional da OAB no Rio de Janeiro, destacou que a campanha deve focar não apenas a valorização da advocacia, mas também contra a criminalização da atividade, como em questões de honorários, por exemplo. “A luta pela valorização pode se tornar a marca da atual gestão.”

Marcos da Costa, da OAB de São Paulo, ressaltou que a campanha é salutar. Fernanda Marinela, de Alagoas, defendeu também uma política clara de atuação na defesa das prerrogativas, com etapas a serem cumpridas, em um movimento maior.

Leonardo Campos, da seccional de Mato Grosso, sugeriu que a campanha seja lançada em agosto, mês do advogado. Já Paulo Maia, da seccional da Paraíba, ressaltou que a advocacia tem mudado nos últimos anos, com ingresso de muitos novos colegas, então a campanha precisa incentivar os advogados também a se valorizarem, principalmente em questões de baixa remuneração e contratos de associado.

Para Leonardo Accioly, vice-presidente da seccional de Pernambuco, o advogado tem cada dia mais sendo aviltada e criminalizada, por isso a importância da campanha. “Observamos que a defesa da liberdade profissional e a valorização da classe são lutas de grandes dificuldades. Temos que reagir a abusos e ao desprestígio”, defendeu.

Mansour Karmouche, da OAB-MS, afirmou que a sociedade tem que enxergar a Ordem dos Advogados do Brasil como defensora da sociedade. “A campanha deve demonstrar o quanto a OAB tem sido importante nos momentos sensíveis da sociedade. Todo esse conjunto serve para demonstrar pra sociedade importância da instituição.”

Luiz Viana, da Bahia, disse que a iniciativa é oportuna e importante. Tiago Diaz, da OAB do Maranhão, ressaltou que a advocacia passa por grave crise. Tanto Walter Ohofugi, da seccional do Tocantins, e Homero Mafra, da seccional do Espírito Santo, parabenizaram a criação da campanha. Paulo Brincas, de Santa Catarina, sugeriu três abordagens para a campanha: criminalização da advocacia, fiscalização da atividade profissional e honorários.

Ricardo Breier, do Rio Grande do Sul, disse que a campanha tem que mostrar que a cidadania é também atendida pela advocacia. Chico Lucas, presidente da seccional do Piauí, alertou que a OAB tem que combater a violação das prerrogativas.

O membro honorário vitalício Reginaldo Oscar de Castro ressaltou que é fundamental que a instituição reaja à violência e a comportamentos abusivos contra advogados. “É preciso um trabalho no sentido do convencimento da sociedade e das autoridades quanto ao exercício da advocacia.” Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB. 

Revista Consultor Jurídico, 12 de maio de 2016, 16h44

Comentários de leitores

5 comentários

Melhorar imagem da advocacia

PLS (Outros)

Vai sair uma matéria na TV... primeiro aparece o vídeo do acusado recebendo um monte de propina. Na sequência, aparece o advogado do corrupto dizendo: - meu cliente é inocente, jamais faria o que dizem... vou provar no processo!
Advogado bom é advogado calado!!! Se joga fora e junto toda a categoria!!! Enquanto continuar acontecendo isso, não tem campanha que dê certo!!!

O advogado

O IDEÓLOGO (Outros)

O advogado atua conforme a Lei. Mas esse comportamento no estágio atual de desenvolvimento social, não basta. A sociedade brasileira quer, também, uma atuação ética. Fica, porém, difícil conviver com a existência de leis contraditórias e antiéticas, com a existência de profissionalismo ético. Se é feita a defesa da ordem jurídica é antiético; se não a defende, também.

O advogado e a consciência

O IDEÓLOGO (Outros)

O advogado diz Roberto A. R. de Aguiar, "Vive contradições e paradoxos que dificultam o enfrentamento profissional do mundo. Grande parte dos advogados é pobre, mas tem de viver segundo padrões materiais e sociais consentâneos com a imagem que os advogados pensam que a sociedade tem deles. Esse problema pode gerar vidas difíceis e tensas, sempre esperando que uma grande causa venha iluminar suas vidas e decretar sua aposentadoria gloriosa. Os profissionais que têm esse entendimento encastelam-se no individualismo, até mesmo para esconder suas carências e não participar dos movimentos reivindicatórios e das lutas por novos direitos da classe a que pertencem. Conseguem com isso implementar uma dupla alienação: a do desconhecimento do Direito vivo e a da não participação na consciência e nas lutas de sua classe. É um exemplo de ausência de "consciência para si" (in "A Crise da Advocacia no Brasil, p. 140).

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/05/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.