Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Quebra de confiança

Em posse, presidente da OAB-SP defende fim do convênio com a Defensoria

Por 

Na posse do presidente reeleito da seccional paulista Ordem dos Advogados do Brasil, Marcos da Costa, o assunto foi o atraso no pagamento dos 40 mil advogados inscritos no convênio com a Defensoria Pública de São Paulo. O convênio, disse Costa, precisa passar a ser gerido pela Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania.

"Não podemos ter parceria com quem não quer a advocacia como parceira", disse presidente reeleito da OAB-SP.
Reprodução

Em seu discurso, o mandatário da entidade disse querer acabar com o convênio entre a OAB-SP e a Defensoria de SP. Ele também vai pedir que deputados da Assembleia Legislativa de São Paulo abram uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para analisar as contas da instituição responsável por defender pessoas carentes na esfera judicial. “Chega. Não podemos ter parceria com quem não quer a advocacia como parceira”, disse.

A ideia do presidente é mudar o gestor dos recursos usados para pagar advogados que atuam por meio do convênio. A mudança seria feita por um projeto de lei que será enviado à Assembleia legislativa de São Paulo. O dinheiro deixaria de ser gerido pela Defensoria, como ocorre atualmente, e passaria à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania.

Visivelmente irritado com a postura da Defensoria, Marcos da Costa citou inúmeras vezes o “calote” dado pela instituição pública nos advogados dativos e criticou o defensor público-geral, Rafael Valle Vernaschi, por afirmar em entrevista à ConJur que a OAB-SP foi devidamente notificada sobre o atraso nos pagamentos.

“Essa afirmação é mentirosa. Inclusive, o defensor público-geral está sendo interpelado criminalmente para esclarecer isso”, ressaltou Marcos da Costa.

O presidente da OAB-SP também contou que nos dias 1º e 22 de dezembro, a Defensoria tinha em caixa, respectivamente, R$ 105 milhões e R$ 56 milhões, mas, mesmo assim, não quitou seus débitos junto aos advogados dativos.

"A Defensoria Pública nunca quis convênio com a Ordem porque ela quer o monopólio de atendimento aos carentes. São 700 defensores e dizem que atenderam 1,5 milhão de pessoas em um ano. Isso é impossível. Não há como fazer isso dentro desse período", afirmou Marcos da Costa.

Marcos da Costa ocupou parte considerável de seu discurso para criticar o pagamento de gratificações aos defensores públicos, que classificou como “ilegais”. Ele afirmou ainda que o Ministério Público que atua junto ao Tribunal de Contas do estado constatou o pagamento de gratificações indevidas.

Segundo o presidente da OAB-SP, essas gratificações foram criadas ao longo dos últimos dois anos, sem lei, pelo próprio conselho da Defensoria Pública. Marcos da Costa disse que alguns integrantes da instituição chegaram a receber 20 bonificações, cada uma correspondendo a 10% do salário-base da função. Porém, ele destacou que “alguns defensores não recebem essas gratificações porque não integram o núcleo político da Defensoria”.

Nesse sentido, o presidente reeleito explicou as várias frentes que usará contra a Defensoria Pública de SP. Uma delas é a divulgação dos gastos. “Já notifiquei o defensor por mais transparência. A Defensoria não segue as diretrizes de divulgação de gastos, eles não têm um portal que dê visibilidade aos gastos do órgão.”

Outro foco de atuação, segundo Marcos da Costa, será o anteprojeto de lei entregue ao deputado federal e também advogado Arnaldo Faria de Sá (PTB) para definir o que é carência. “Vamos lutar pela definição do que é ser carente. A Defensoria se julga no direito de decidir quem vai atender”, criticou o presidente da OAB-SP.

Questionado pela ConJur sobre a afirmação do defensor público-geral, de que a filiação dos defensores à OAB poderia inibir a atuação dos profissionais, Marcos da Costa disse que essa afirmação está "absolutamente equivocada". "É como se um médico, por atuar no setor público, não fosse considerado médico."

Marcos da Costa lembra que quando Vernaschi tentou tomar posse, a OAB-SP impetrou Mandado de Segurança para impedir que ele assumisse enquanto não reativasse seu registro junto à OAB. O que aconteceu.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de janeiro de 2016, 19h21

Comentários de leitores

29 comentários

Sra. Cecília Ferreira (Professor)

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Obviamente, não nos estenderemos.
A Sra. confirmou uma das hipóteses.
O Estado, sustentado pelo contribuinte comum, não pode ser obrigado a fornecer todo o tipo de "conveniência", principalmente a quem já seja remunerado por impostos.
Há de se limitar a atuação da Defensoria àquilo que determina a Constituição: ao CARENTE!
Ademais, a pessoa de baixa renda, o CARENTE tem a obrigação de pagar conta de água (tarifa básica), mas o "não carente" entende que o Estado deve lhe fornecer a comodidade "advogado gratuito"? Ora, ora...
Quem tem disponibilidades para passear no shopping, para viajar, plano de saúde, abastecer o carro, trocar smartphone, ir ao cinema, pagar tv por assinatura DEVE arcar com os serviços de que necessite, além de pagar água e luz, tal como exigido também dos carentes.

Eduardo Oliveira

Cecília Ferreira (Professor)

Eu não tenho qualquer objetivo de fazer desse espaço um debate sem fim. Esse será meu último comentário nessa matéria. Dizer que um professor ganha o suficiente para pagar advogado prova que você nunca passou necessidade. Um advogado cobra 5 mil para processos simples, no meu caso um despejo. Além disso eu tinha que pagar os custos do processo. É justo que eu de mais de dois meses de salário para receber o que tenho direito por lei??? Outra coisa, essa questão dos impostos não dá pra concordar. O Brasil realmente cobra impostos absurdos, mas isso não altera em nada na discussão porque os advogados conveniados tb receberão dinheiro dos impostos!!! Sei que existem ótimos advogados e ótimos médicos na iniciativa privada, mas também sei que quem faz concurso público estudou muito para isso. Delegados não fazem concurso? Juízes? Promotores públicos? Por que o advogado do povo não deve passar por essa peneira. Eu falei abaixo e vou repetir : escolas públicas e hospitais públicos foram sucateados por lobby de escolas particulares e planos de saúde. Por favor, não façam lobby para sucatear os únicos que foram capazes de receber a população junto da justiça. Os advogados são muito importantes e esse papel na história ficaria muito feio. Outra coisa : respeite um pouco mais os professores e médicos desse país. Não sei a sua idade, mas o modelo de escola pública nem sempre foi "carcomido". Agora é assim e por isso só os ricos se dão bem. Aí tiveram que criar cotas... Bola de neve.

Sr. Cecília Ferreira (Professor)

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Uma última observação, apenas para ficar clara a confusão que se faz...
Há uma disparidade/defasagem gritante entre a tabela que a OAB fixa para a atuação "normal" e a tabela que a OAB pratica EXCLUSIVAMENTE para o convênio com Defensoria.
Posso garantir que os EFETIVAMENTE necessitados do atendimento da Defensoria não teriam condições de pagar, ainda que parceladamente, nem 50% do valor praticado entre a OAB e a Defensoria.
Conclusão: o convênio da Defensoria NÃO faz advogado perder cliente, porque tais "clientes" nunca teriam condições de pagar qualquer valor que lhes fosse cobrado.
Da mesma forma que o Eistein, o São Luiz por exemplo, não perdem clientes por causa do SUS...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.