Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mais conforto

CNMP inaugura sala de estar para ex-conselheiros e procuradores-gerais

A instalação de uma “sala de estar” na sede do Conselho Nacional do Ministério Público, em Brasília, reuniu representantes de diversas instâncias da instituição em uma cerimônia de inauguração, com direito a muitos discursos sobre a importância do local. O espaço foi criado para acomodar melhor os procuradores-gerais de Justiça e os ex-conselheiros que comparecerem ao órgão.

Segundo a assessoria de imprensa do CNMP, a sala de estar fica perto do auditório e do plenário do órgão e conta com sofás, mesas, cadeiras, televisão, computador, ar-condicionado e um banheiro privativo. O novo espaço foi inaugurado no dia 15 de dezembro.

Na ocasião, a presidente do CNMP em exercício, Ela Wiecko Volkmer de Castilho, disse que era “um prazer inaugurarmos a sala”. Em seguida falou o conselheiro Orlando Rochadel, apresentado por ela como o idealizador do espaço.

Rochadel afirmou ter enxergado a necessidade da criação da sala depois de muitas idas ao CNMP quando era procurador-geral de Justiça de Sergipe. “Hoje é um dia de muita alegria, pois este espaço vem atender a uma antiga reivindicação. Nossos procuradores-gerais representam o Ministério Público e é bom que eles se sintam bem aqui, neste ambiente receptivo, com muito espaço e estrutura”, disse.

O procurador-geral de Justiça em Goiás e presidente do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais, Lauro Machado Nogueira, também elogiou o projeto. Ele agradeceu à alta administração do CNMP pela receptividade da ideia e destacou que seus pares passarão a ter melhores condições de trabalho quando estiverem no órgão responsável pelo planejamento e fiscalização do Ministério Público brasileiro.

“Vimos muito aqui pelo aprimoramento do Ministério Público e é importante que tenhamos uma boa estrutura de acesso. Tenho certeza que agora haverá grande facilidade para que todos venham resolver seus problemas e debater com os conselheiros”, afirmou.

Em nome dos ex-conselheiros do CNMP, falou o subprocurador-geral da República Nicolao Dino. Ele disse que a inauguração da sala é um gesto de homenagem e gera satisfação aos que passarão por ela. “Este é um momento de reconhecimento do trabalho daqueles que representam o Ministério Público e falam pela instituição. Vai muito além da renovação física de um espaço”, destacou. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNMP.  

Revista Consultor Jurídico, 14 de fevereiro de 2016, 14h14

Comentários de leitores

6 comentários

É de enojar!

Leonardo BSB (Outros)

Deprimente ver no que se transformou o Ministério Público! Na verdade, o órgão que deveria ser da sociedade, os membros se apossaram e têm um comportamento nada republicano, além de saquearem o erário com regalias e verbas de duvidosa constitucionalidade! É o caso urgente de se repensar o Ministério Público! Hoje, sinto nojo, profundo nojo!!!

Mas tudo é mais grave, se analisarmos bem!

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Sim, é mais grave, porque, VOLTANDO à Advocacia, TAIS profissionais, que ERAM membros do M P, passam a gozar do privilégio da CONVIVÊNCIA, em SALAS ESPECIAIS, com seus EX-COLEGAS de profissão, da profissão que NÃO EXERCEM MAIS, mas cujos BENEFÍCIOS os TORNA ou lhes RESTITUI, como PRIVILÉGIOS, PRERROGATIVAS que ANTES GOZAVAM.
Só que, realmente, PASSARAM a SER, com a aposentadoria, CIDADÃOS COMUNS, que podem ser, inclusive e especialmente, ADVOGADOS, profissão que exercem com um PÉ NA IGUALDADE de DIREITOS, que eventualmente reclamam como Advogados, mas COM PRIVILÉGIOS que SÓ TERIAM AQUELES QUE AINDA TÊM as PRERROGATIVAS da FUNÇÃO que exercem!
É lamentável que ainda se possa ler matéria deste jaez em nossos noticiários.
E a própria matéria é um TESTEMUNHO VIVO da necessidade do processo DEMOCRÁTICO da PUBLICIDADE, momento em que se pode ter conhecimento de tais tipos de benefícios de uma sociedade distorcida pela necessidade de ALGUNS CIDADÃOS se SENTIREM MAIS CIDADÃOS QUE OUTROS!

Findo o munus, findas as prerrogativas.

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

É como deveria ser, SE NOSSA SOCIEDADE fosse COMPOSTA e se pautasse pela regra dos CIDADÃOS IGUAIS e SEM PRIVILÉGIOS.
Agora, tal como já procedem os MAGISTRADOS, em que FINDO o MUNUS, TRANSFORMAM-SE PRERROGATIVAS em PRIVILÉGIOS, o ÍNCLITO M P segue o RUMO, que tem sido a regra brasileira.
É NÃO VEJO como possamos dizer que o CIDADÃO BRASILEIRO TEM DIGNIDADE e CIDADANIA.
DE FATO e pelos FATOS, a MAIORIA dos CIDADÃOS SÃO COMUNS e se SUBMETEM aos PRIVILÉGIOS de CATEGORIAS, tais como a de POLÍTICOS, MAGISTRADOS e, agora, MINISTÉRIO PÚBLICO, que SÃO SUSTENTADOS e se DELEITAM com os BENEFÍCIOS que para si criam os que TÊM PRERROGATIVAS e as TRANSFORMAM em PRIVILÉGIOS!
Por que, digam-se calmamente, para que eu possa ENTENDER, os PROFISSIONAIS aposentados teriam que continuar de SITUAÇÕES MATERIAIS que os TORNAM DETENTORES DE PRIVILÉGIOS, gerando CUSTOS EXTRAORDINÁRIOS para as INSTITUIÇÕES que querem manter PRIVILÉGIOS como LONGA MANUS das PRERROGATIVAS?????

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.