Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Educação infantil

Justiça autoriza que mãe cumpra prisão domiciliar para cuidar dos filhos

Para garantir que uma mãe possa criar seus dois filhos, o departamento estadual de execução criminal em Ribeirão Preto autorizou que ela seja transferida para prisão domiciliar. De acordo com a decisão do juiz Luís Augusto Freire Teotônio, a medida é necessária para garantir o bem-estar das crianças, que haviam sido encaminhadas para o Serviço de Acolhimento Institucional de Ribeirão Preto por não existir nenhum outro parente que possa cuidar delas.  

A mulher foi condenada a 2 anos e 11 meses de prisão por tráfico de drogas. Ela cumpria pena em regime fechado, porém entrou com ação para diminuir o regime de sua prisão e ter liberdade de criar as crianças. Segundo o juiz, as informações existentes dão conta de que a autora da ação é participativa nas atividades escolares e não há nenhuma ocorrência de negligência materna.

“Resta provada a necessidade da presença afetuosa da mãe para o desenvolvimento dos filhos, sendo imprescindível resguardar o convívio entre eles”, apontou o juiz. “É preciso que a execução penal favoreça também a criação de seus filhos, e que sua pena não os condene, através de traumas sociais, por um erro que não os pertence”.

A prisão domiciliar será em período integral, com comunicação prévia de endereço, autorizadas saídas eventuais apenas para acompanhamento e tratamento de sua saúde e dos filhos. Sempre que requisitada, a mulher deverá comparecer em juízo portando carteira de vacinação e comprovante de matrícula dos filhos. O benefício será revogado em caso de transgressão. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP.

Revista Consultor Jurídico, 15 de agosto de 2016, 8h18

Comentários de leitores

4 comentários

Papai Noel eu acredito

Professor Edson (Professor)

A prisão domiciliar será em período integral, com comunicação prévia de endereço, autorizadas saídas eventuais apenas para acompanhamento e tratamento de sua saúde e dos filhos. Sempre que requisitada, a mulher deverá comparecer em juízo portando carteira de vacinação e comprovante de matrícula dos filhos. O benefício será revogado em caso de transgressão.

acertada

Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual)

Concordo com Eduardo, 2 anos não é pena para se manter a pessoa reclusa. Se a ré foi sentenciada a uma pena tão baixa é porque não há outros indicios contra ela. Como se diz por aqui bora prender de novo, se ela voltar a delinquir, caso contrário deixe que cuide dos filhos. A lei e a doutrina impõe dificuldade quase intranponível aos agentes de segurança para admitir que a investigado não faz parte de organização criminosa, mas não se pode deixar desanimar. Nosso salário não é um bom incentivo apra que façamos o que lei nos determina?

animo?

_Eduardo_ (Outro)

A jurisdição criminal não está atrelada à presença ou à ausência de ânimo dos policiais, ou de quaisquer outros funcionários públicos. Seria o fim dos tempos que as decisões judiciais tivessem por base o ânimo dos agentes públicos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/08/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.