Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ação rescisória

TST mantém condenação de Oi por verbas trabalhistas de terceirizado

Ação rescisória — processo pelo qual se tenta desconstituir uma decisão já transitada em julgado — só é cabível quando a decisão questionada resultar de dolo da parte vencedora em detrimento da parte vencida, ou de colusão entre as partes, a fim de fraudar a lei. E, no caso de dolo processual, o cabimento está relacionado ao ato da parte que prejudica o vencido e induz o juiz a erro.

Assim decidiu a Subseção II Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho ao negar recurso da Oi (Brasil Telecom) que pretendia desconstituir decisão que reconheceu o vínculo de emprego de um trabalhador terceirizado e a condenou subsidiariamente pelas verbas trabalhistas do empregado.

A empresa pretendia a desconstituição da decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, por meio de ação rescisória, argumentando que o reconhecimento de vínculo de emprego decorreu de dolo processual do advogado do empregado, da utilização de prova falsa e de erro do magistrado ao examinar o conjunto dos fatos da reclamação trabalhista.

Entretanto, para relator, ministro Emmanoel Pereira, os fatos apontados pela empresa na petição inicial da rescisória e no recurso ordinário não estão relacionadas a atos que pudessem impedir a sua defesa ou induzir o juiz a erro na reclamação trabalhista. O fato de o advogado do empregado ter localizado trabalhadores da empresa contratada com o objetivo de ajuizar várias reclamações não caracteriza, por si só, obstáculo à defesa da Oi na ação matriz, afirmou. 

Quanto ao argumento de prova falsa, o magistrado esclareceu que a decisão regional manteve o reconhecimento do vínculo de emprego com base em prova emprestada utilizada com a concordância das partes, inclusive da Oi. Segundo ele, a empresa não demonstrou a alegada falsidade do depoimento utilizado como prova emprestada, de forma que não prospera a sua pretensão de ver desconstituída a decisão desfavorável.

Por último, o ministro afirmou que a pretensão desconstitutiva da Oi, fundamentada no inciso IX do artigo 485 do Código de Processo Civil, esbarra na Orientação Jurisprudencial 136 da SDI-2, uma vez que não houve erro de percepção pelo magistrado, mas mero inconformismo da empresa com a interpretação dos fatos e provas na decisão regional, o que não configura erro de fato, como alegado. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Processo RO-106200-79.2008.5.09.0000

Revista Consultor Jurídico, 24 de maio de 2015, 15h45

Comentários de leitores

1 comentário

Terceirização

JB (Outros)

Já é um adiantamento de como vai ser a lei da terceirização, a chamada 4.330.

Comentários encerrados em 01/06/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.