Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Expectativas frustradas

Mulher que adotou menina e depois a devolveu deve indenizá-la em R$ 100 mil

Quem adota gera na criança a expectativa de pertencimento a uma família, bem como de que receberá cuidados de seus novos pais. Assim, se o adotante devolve o menor ao abrigo onde morava, causa sérios danos morais. Com esse entendimento, a Justiça de Brasília condenou uma mulher a pagar R$ 100 mil por ter desistido de uma garota cinco anos depois da adoção.

A autora ganhou nova mãe aos seis anos, depois que a mãe biológica morreu em um hospital, e chegou a mudar de estado e ganhar novo nome. Mas foi encaminhada de volta ao abrigo aos 12 anos, sob alegação de "mau comportamento". Ela afirmou que o retorno lhe causou prejuízos emocionais, na medida em que se viu rejeitada pela sua protetora. Por ter ficado sob a guarda da mulher por longo período, disse ainda ter ficado impossibilitada de estabelecer vínculo afetivo com outra família.

A ré atribuiu a medida ao "comportamento rebelde" da jovem e afirmou ter pedido a revogação da guarda depois que quase foi agredida. Respondeu ainda que, por ter mais de 76 anos de idade e apresentar doença grave, não teria mais condições de cuidar da jovem.

A sentença afirma que a ré agiu de forma imprudente ao "retirar a autora aos seis anos de idade da instituição em que vivia, na promessa de adotá-la; mudar-se com ela para a cidade de Salvador (BA); prometer-lhe um novo nome (Maria Madalena); retornar a Brasília (DF); desistir da adoção; manter-se com a guarda da menor; e, passados mais de cinco anos, simplesmente 'devolvê-la' à instituição de onde a retirou, quando esta já possuía 12 anos de idade completos, por ter apresentado 'mau comportamento'".

"O prejuízo concreto, decorrente da conduta contraditória, é a sensação de abandono, desprezo, solidão, angústia que a autora se deparou aos seus doze anos de idade; ofensa esta que, a toda evidência, dispensa qualquer espécie de prova", afirma a decisão. O número do processo não foi divulgado. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-DF.

Revista Consultor Jurídico, 13 de julho de 2015, 8h34

Comentários de leitores

6 comentários

Judiciário destruiu.

Ademir (Advogado Autônomo)

Parabéns Dr. Marcos Alves Pintar, disse toda a verdade, mas isso tudo traz um ranço, desse desgoverno que assola o Brasil.

\"...Que atire a primeira pedra.\"

Jadir de Araujo (Outros)

A menina Maria Madalena teve a sua guarda requerida pela ré, com a promessa de ser adotada. Creio que vivia feliz em companhia de sua nova família. Tinha um lar, ia à escola, brincava com outras meninas... Mas aquela promessa de adoção (passados mais de cinco anos) não fora cumprida.
Sob a alegação de "mau comportamento", a menina Maria Madalena retorna à instituição, onde vivia, levada por aquela que lhe prometera uma vida digna. A ré julgava-se limpa e sem pecado. Atirou a primeira pedra.

De todos os envolvidos

Observador.. (Economista)

Com exceção da criança, toda a história foi muito infeliz.Uma idosa, sem condições e ainda tem que pagar indenização tão expressiva?
Concordo que houve falta de sensibilidade/planejamento.Mas o Judiciário teve a sensibilidade que cobra da ré?
Tomara que seja possível recorrer.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.