Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

11 de agosto

A responsabilidade do advogado na vanguarda da luta pelo defesa da democracia

Por 

O exercício da advocacia sempre foi um dos pilares essenciais para o aperfeiçoamento democrático do país. Por essa razão, não poderia deixar de saudar os 280 mil advogados paulistas, neste mês em que se comemora a data máxima de nossa Advocacia, 11 de agosto, com a lembrança de históricas lutas em que a nossa classe travou de maneira denodada para a consolidação da cidadania e em prol dos valores da liberdade e da igualdade.

Recordo a contribuição crucial dos advogados brasileiros na defesa veemente do Estado de Direito, seja patrocinando causas de cidadãos perseguidos por ditaduras seja assumindo a linha de frente pela liberdade de expressão. A advocacia esteve presente na formulação das Cartas Constitucionais, pela esfera dos corpos parlamentares, fazendo-se presente nas ruas e nas batalhas para ampliar o acesso à Justiça dos menos favorecidos.

Tenho a convicção de que este papel de protagonista da disseminação da justiça faz com que tantos jovens se inspirem em abraçar a carreira do Direito. Em uma época na qual o idealismo vê arrefecido o calor de sua chama, é gratificante verificar que muitos jovens buscam uma carreira que, no seu cerne, inspira o ideário da Cidadania e o Primado da Liberdade. Para esses jovens, dedico algumas palavras.

O mundo contemporâneo vive um estado de permanente mutação. Trata-se de uma situação que alcança todas as áreas do conhecimento humano. E em relação ao Direito, não poderia ser diferente. O mundo em transformação, vale lembrar, torna cada vez mais necessário o múnus advocatício. A competitividade na esfera dos negócios e a expansão dos conflitos em praticamente todos os campos da atividade humana formam o pano de fundo que paira sobre nossa atividade. 

Dessa moldura, podemos fazer a ilação de que o advogado precisa ser um dos mais completos e qualificados profissionais do mercado. Ocorre que enfrentamos enormes barreiras, em nosso país, para que esta meta seja atingida. A começar pela proliferação de instituições de ensino do Direito, que estão longe da qualidade necessária para formar profissionais habilitados. 

Sobre essa questão, faço duas considerações. A primeira diz respeito ao fato de que, em decorrência da complexidade da própria sociedade, a carreira de advogado está cada vez mais especializada. Trata-se de uma boa notícia. Áreas como as do Direito Ambiental, do Direito do Consumidor e do Direito Econômico, apenas para citar algumas, ganham relevância crescente e devem ser encaradas não apenas como oportunidades de mercado, mas como especializações, calcadas no domínio da matéria fincada numa base humanística, que mantêm íntegro o princípio basilar de se fazer avançar a cidadania.

O outro aspecto diz respeito a uma luta da qual não podemos abdicar: o empenho de todos os nossos esforços para interromper a degradação de valores e costumes que se abate sobre nossa sociedade. É inadmissível permitir que episódios de corrupção corroam a crença de um povo que ama o Brasil.

A Advocacia tem empenhado seu ânimo para mudar esta realidade. Temos de continuar a desfraldar as bandeiras da honestidade, da moralidade e do amor ao Brasil. Por ocasião do mês do Advogado, conclamo a nossa classe a continuar na vanguarda das lutas pela defesa do Ideário do Estado Democrático de Direito. Viva a Advocacia!"

 é advogado criminalista, mestre e doutor em Direito Penal pela USP, Conselheiro Federal da OAB, presidente da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (Abracrim), presidente do LIDE Justiça. Foi presidente da OAB-SP por três gestões (2004/2012).

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2015, 9h11

Comentários de leitores

2 comentários

Os 188 anos dos cursos jurídicos do brasil

VASCO VASCONCELOS -ANALISTA,ESCRITOR E JURISTA (Administrador)

Nobre Presidente Eduardo Cunha Vossa Excelência vem desenvolvendo um trabalho excepcional em sintonia com os anseios da população. Moro em Brasília há mais de quarenta anos e nesse período jamais vi a Câmara dos Deputados funcionar em sua plenitude, deixando de ser um mero anexo da OAB ou do Palácio do Planalto. Se o saudoso Deputado Federal o Dr. Ulisses Guimaraes estivesse entre nós estaria aplaudindo Vossa Excelência pela sua liderança e alto Espírito de Brasilidade.
Vossa Excelência Presidente Eduardo Cunha passará para história, como Grande Abolicionista se conseguir, em respeito ao direito ao trabalho, insculpido na Declaração Universal dos Direitos Humanos, abolir de vez com a última ditadura, a escravidão contemporânea da OAB, ou seja o fim do caça-níqueis Exame da OAB ), uma chaga social que envergonha o país.
Durante o lançamento do livro ‘Ilegalidade e inconstitucionalidade do Exame de Ordem do corregedor do TRF da 5º Região, Desembargador Vladimir Souza Carvalho, afirmou que EXAME DA OAB É UM MONSTRO CRIADO PELA OAB. Disse que nem mesmo a OAB sabe do que ele se trata e que as provas, hoje, têm nível semelhante às realizadas em concursos públicos para procuradores e juízes. “É uma mentira que a aprovação de 10% dos estudantes mensure que o ensino jurídico do país está ruim. Não é possível falar em didática com decoreba”, completou Vladimir Carvalho.
Senhores Deputados Federais e Senadores da República, existem alternativas inteligentes e humanitárias: tipo estágio supervisionado e/ou residência jurídica. Aprendi na terra do meu saudoso conterrâneo Ruy Barbosa, que “A bove majore discit arare minor” (O boi mais velho ensina o mais novo a arar). FIM DO CAÇA-NÍQUEIS EXAME DA OAB..

quase chorei de emoção !

hammer eduardo (Consultor)

Artigo meramente burocrático que apenas serve para manter o famoso advogado paulista em evidencia. Infelizmente o seu papel de defensor de primeira hora das Leis não funciona muito bem na "mídia" pois historicamente o dito cujo adora advogar preferencialmente para bandidos RICOS de altíssimo coturno , não me lembro deste competentíssimo Profissional advogando para Pessoas ditas mais humildes. Seus "crientes" via de regra são pessoas envolvidas com o que existe de mais PODRE em voga no Brasil , felizmente os mesmos dispõe de contas bancarias sem fundo e de origem desconhecida ou pra la de suspeita.

Costumo dizer que se vivos fossem , Hitler , Muammar Khadaffi ou Bin Laden ficariam numa boa no Brasil pois sempre poderiam dispor dos préstimos imediatos de uma plêiade de Medalhões operadores do direito sempre e fim de através de suas indiscutíveis capacidades operacionais questionar quiçá ate a aplicação da lei da Gravidade.........

Por essas e "esses" é que o Brasil virou esta gigantesca e descontrolada casa de tolerância em que apenas a pobrada sem dentes na boca e que vai efetivamente em cana , aos perfumados e próximos aos "podres poderes" existirá sempre um singelo olhar de compaixão com estes incompreendidos sociais que via de regra apenas almejavam uma aproximação inconveniente com o bem publico. É nojento para dizermos o mínimo.

Alo CONJUR , já que o citado causídico certamente é amiguinho dos Senhores , não esqueçam do procedimento padrão nestes casos de "segurar" o meu comentário por alguns dias para depois solta-lo quando o assunto esfriar naturalmente. A Democracia realmente é uma sensação bastante pessoal , para alguns ainda mais.....

Comentários encerrados em 19/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.