Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Discussão em fórum

Ex-presidente da OAB em Diadema (SP) acusa juiz de agressão

A ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Diadema (SP) Maria Marlene Machado, de 60 anos, acusou o juiz André Pasquale Rocco Scavone, da 2ª Vara Cível da cidade, de tê-la agredido fisicamente na última quarta-feira (23/7).

De acordo com Maria Marlene, a agressão aconteceu quando ela e seu filho André, também advogado, tentavam retirar os autos de um processo. No cartório, o pedido foi negado e eles foram orientados a procurar Scavone.

Mãe e filho, então, foram até a sala do juiz. A advogada aguardava do lado de fora, quando ouviu André e o juiz discutindo, conta. “Corri e gritei para ele [Scavone]: O que está acontecendo, doutor?”

“[O juiz] Me chamou de impertinente, levantou, pegou no meu braço e me empurrou para o corredor. Ele tinha perdido o controle”, afirma Maria Marlene. A advogada registrou boletim de ocorrência por lesão corporal, abuso de autoridade e injúria.

De acordo com Roberto Toledo Santos, presidente da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB em São Paulo, o caso deverá ser encaminhado à Corregedoria do Tribunal de Justiça, ao Conselho Nacional de Justiça e ao Ministério Público.

“Esse juiz tem cinco meses na comarca e muita gente — não só advogados — tem manifestado incômodo com ele, que age com todos de uma forma muito truculenta”, afirma Toledo, acrescentando que “é lamentável que juízes ajam com falta de cordialidade com advogados que estão defendendo terceiros”.

Scavone afirmou que as acusações “não refletem a verdade dos fatos”. “Não houve qualquer tipo de agressão, mas um triste e infeliz episódio envolvendo operadores do Direito com ânimos inflamados”, completou o juiz.

Revista Consultor Jurídico, 29 de julho de 2014, 10h39

Comentários de leitores

10 comentários

Omissão

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Senhor Advogado Fernando José Gonçalves: Demonstrei descontentamento apenas pela omissão, visto que V.Sa. propagou notícia afirmando ilícito de Magistrado, sem fazer qualquer referência a que a notícia original dizia, claramente, que havia uma Advogada envolvida no ilícito noticiado.

Ao mm. Juiz dr. Daniel

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Perdão, Excia, mas quem assistiu a reportagem, até o final, viu bem mais do que relata o nobre Magistrado em seu inconformismo. Quanto a promíscua advogada, não me consta que eu a tenha defendido ou mesmo justificado a sua atitude, porém um ditado popular, cada vez mais vivo, se faz ressoar a cada notícia triste como essa: JAMAIS VI ALGUÉM COMPRAR ALGUÉM, QUE NÃO ESTIVESSE À VENDA"

A Justiça está em decadência

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

O Senhor Advogado Fernando José Gonçalves escreveu: "Magistrados são flagrados, como qualquer um, por escutas e vídeos mantendo conversas com bandidos e facções criminosas em troca de dinheiro. No último domingo o Fantástico mostrou mais um caso de juiz envolvido com o crime".
Eu vi a reportagem. Dava conta de envolvimento ilícito entre um Juiz de Direito e... uma Advogada. Curioso, não? Só o Juiz foi mencionado no comentário.
Infelizmente, parece que, para alguns, basta que um Juiz seja acusado para que ele seja automaticamente considerado culpado, digno de expulsão da Magistratura. Já se o acusado for Advogado, aí, parace, para essas mesmas pessoas, o que houve foi pura perseguição ao pobre inocente.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/08/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.