Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Decisão do STJ

Lotar servidores comissionados em cargos de concursados não é improbidade

Por maioria de votos, a 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça julgou improcedente Ação Civil Pública impetrada contra Silvio Magalhães de Barros II (PHS), ex-prefeito de Maringá (PR), por improbidade administrativa.

O Ministério Público do estado ajuizou a ação em razão da nomeação de três servidores comissionados. Embora os cargos fossem vinculados ao gabinete do prefeito, os funcionários foram lotados em outros órgãos da administração.

O juízo de 1º Grau considerou o pedido procedente, sob o entendimento de que, ao nomear os servidores para cargos que não eram de direção, chefia ou assessoramento, Barros feriu os princípios da administração pública.

O Tribunal de Justiça do Paraná manteve o entendimento. Segundo o acórdão, o fato de os servidores não terem sido lotados no gabinete do prefeito não configuraria irregularidade. O problema foi designá-los para funções típicas de servidores de carreira, violando assim o inciso II, do artigo 37 da Constituição Federal, que exige concurso para investidura em cargo ou em emprego público.

Já o relator do recurso no STJ, ministro Ari Pargendler, manifestou opinião diferente. Segundo ele, a mera lotação dos nomeados em outros órgãos não leva à conclusão de que houve dolo capaz de caracterizar ato de improbidade.

“Muito embora tenham sido nomeados para cargos em comissão subordinados ao gabinete do prefeito e lotados em outros órgãos, o fato — incontroverso, registre-se — é que os três servidores foram nomeados regularmente (o que se teve por irregular foi a lotação em órgãos diversos daquele para o qual foram nomeados) e prestaram serviços ao município de Maringá. Há, nesse fato, como reconheceu o tribunal de origem, evidente má-fé do administrador? Salvo melhor juízo, não”, disse Pargendler. Com informações da assessoria de imprensa do STJ.

REsp 1.434.296

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2014, 8h19

Comentários de leitores

13 comentários

Impunidade dolosa !!!

cabett (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Ingenuidade ou má-fé do julgador??? O Tribunal da Cidadania não poderia afiançar decisões dessa natureza. O Relator é um reconhecido jurista. Difícil acreditar que realmente tenha votado nesse sentido. Uma vergonha !!!

Mas rapaz...

Luciano L. Almeida (Procurador do Município)

Eu nomeio o cidadão para o cargo comissionado de "Diretor de Departamento" e coloco pra dirigir ambulância. Tem dolo não...é necessidade da Administração Pública. Valeu STJ! Assinou embaixo de uma das maiores, mais comuns, e mais vergonhosas práticas dos gestores municipais.

Da cabeça do juiz

Ezac (Médico)

e na fralda, nunca sabemos o que vai ter...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/07/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.