Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisão ilegal

Decisão que desobriga pagamento de pensão vale desde a citação

Quando a Justiça decide que uma pessoa não deve mais pagar pensão alimentícia, essa desobrigação retroage, valendo desde a data da citação. Seguindo esse entendimento, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça concedeu Habeas Corpus para revogar a prisão decretada contra um pai em processo sobre pensão alimentícia.

A filha cobrava o pagamento de pensões supostamente em atraso, referentes aos meses decorridos entre a citação na ação de exoneração de alimentos — julgada procedente — e o trânsito em julgado da respectiva decisão. 

O recurso chegou ao STJ depois que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais manteve o decreto de prisão. O pai alegava que a execução não contava com título líquido e certo, já que foi ajuizada ação de exoneração de alimentos, ao final julgada procedente.

O pai comprovou que os alimentos foram quitados até a data da citação na ação de exoneração e disse que não devia mais nada. Ele invocou o artigo 13 da Lei 5.748/68, segundo o qual os alimentos fixados, tendo sido majorados ou diminuídos, retroagem à data da citação.

O relator, ministro João Otávio de Noronha, confirmou o entendimento de que a decisão de procedência na ação de exoneração de alimentos retroage à data da citação. Assim, é ilegal a prisão decretada em decorrência do não pagamento de alimentos entre a citação e o trânsito em julgado da decisão que exonerou o alimentante. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 25 de agosto de 2014, 15h27

Comentários de leitores

5 comentários

E dentre os absurdos....

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Estão a Impossibilidade de Repetição do Indébito e Impossibilidade de Compensação a qualquer título. Ou seja, se pagou a mais "se ferrou". Agora se pretender compensar valores com os créditos que sobejaram......., também.

decisão correta

C.Gonçalves (Administrador)

É absolutamente ilógico a prisão de um individuo nestas condições, ou seja, o individuo não têm nenhuma culpa da morosidade da Justiça nesse pais, as decisões são postas em cumprimento sem mesmo ter transitado em julgado a ação na qual dependeria o motivo principal de determinada ação, fomentando desta forma a industria das pensões alimentícias a indivíduos em pleno gozo de suas funções e que não tem nenhum tipo de inpecilio ou dificuldade que realmente justifique tal atitude.

Muita coisa errada

N_F (Outros)

Há muita coisa errada quando se fala em pensão alimentícia. Por exemplo, ao determinar a pensão alimentícia de ofício sem ouvir a defesa da parte devedora, pode-se arbitrar pensão maior que a capacidade financeira do alimentante. Logo, deveria ser PROIBIDO entrar com ação de execução ANTES do trânsito em julgado da sentença. E, se a pensão fosse diminuída quando do julgamento do mérito, o valor deveria ser reduzido desde a citação também devido à demora destes processos! Infelizmente, não é assim que funciona e sempre se favorece o ócio. Esta decisão é uma exceção!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/09/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.