Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Interesse social

Leia voto de Teori Zavascki pela atuação do MP em ações sobre DPVAT

A legitimação do Ministério Público para defender, na Justiça, beneficiários do seguro DPVAT se baseia no artigo 127 da Constituição, devido ao interesse social em tutelar o conjunto de segurados que teriam sido lesados pela seguradora. A afirmação é do ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal, ao relatar voto vencedor que pôs fim à celeuma envolvendo milhares de casos no Judiciário.

Por unanimidade, o Supremo decidiu, nesta quinta-feira (7/8), a favor do Ministério Público. O julgamento se deu em ação impetrada pelo MP Federal, que teve repercussão geral reconhecida.

Em seu voto, o relator diz que o objeto da ação trata de direitos individuais homogêneos, por abordar um “conjunto de direitos subjetivos individuais, divisíveis, com titulares identificados ou identificáveis, assemelhados entre si por um núcleo de homogeneidade”.

O interesse social decorre, ainda de acordo com o ministro, do fato de o DPVAT não ser um “seguro qualquer”. “É seguro obrigatório por força de lei (Lei 6.194/74, alterada pela Lei 88.441/92, Lei 11.482/07 e Lei 11.945/09), e sua finalidade é proteger as vítimas (...) dos acidentes automobilísticos, que tantos males sociais e econômicos trazem às pessoas envolvidas, à sociedade e ao Estado.”

Pela natureza e finalidade do DPVAT, prossegue, o seu adequado funcionamento transcende os interesses individuais dos segurados. “Há, portanto, manifesto interesse social nessa controvérsia coletiva”.

Para finalizar, o relator citou outros casos julgados pelo Supremo em que se entendeu que direitos individuais homogêneos atraíam interesse social: mensalidades escolares (RE 163.231/SP) e contratos de leasing (AI 606.235), entre outros.

Disputa demorada
O caso analisado começou em 2003, quando o Ministério Público de Goiás apresentou Ação Civil Pública acusando uma empresa de pagar indenizações inferiores às fixadas em lei, o que teria causado danos morais e materiais aos consumidores e também à sociedade. Em 2010, a 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça avaliou que a defesa seria própria da advocacia, por se tratar de direitos individuais identificáveis e disponíveis.

O Ministério Público Federal pediu então que o Supremo reconhecesse a repercussão geral da matéria. “Se todo beneficiário tiver que ingressar com um processo judicial para cobrar o devido (...), através da assistência do Estado ou de advogado privado, o Poder Judiciário sofrerá uma sobrecarga desnecessária, sem falar no atraso da prestação jurisdicional”, alegou.

Para defender a sua legitimidade, o Ministério Público invocou dois artigos constitucionais — 127 e 129, inciso III. O primeiro diz: “O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis”.

O outro dispositivo, afirma: “São funções institucionais do Ministério Público promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesse difusos coletivos”.

RE 631.111/GO

Clique aqui para ler o voto.

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2014, 18h44

Comentários de leitores

2 comentários

ACP improcedente não faz coisa julgada para ações individuai

analucia (Bacharel - Família)

ACP improcedente não faz coisa julgada para ações individuais, mas a procedente beneficia milhares de pessoas, e por isto o MAP é contra, pois torna desnecessária a ação individual pelo advogado. A solução é fazer como nos EStados Unidos em que Advs criam ONGs e ajuizam Ações coletivas e ganham milhões de honorários se forem procedentes.

Bloqueando a fila

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A razão de se permitir a atuação ilegal do Ministério Público em questões de natureza privada é muito clara: o MP proporá ações fadadas ao insucesso, redundando em prejuízo aos segurados na medida dos ajustes firmados com as seguradoras. O Ministério Público deve cuidar dos assuntos que lhe compete, como os assassinatos, o roubo de dinheiro público, os crimes diversos cometidos pelos agentes públicos.

Comentários encerrados em 16/08/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.