Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desvio de verbas

MPF pede execução da pena do ex-juiz Nicolau

O Ministério Público Federal solicitou ao Superior Tribunal de Justiça, em Reclamação, a execução definitiva da sentença contra o juiz trabalhista aposentado Nicolau dos Santos Netos, condenado a sete anos e seis meses de reclusão, perda do cargo público e multa por crimes contra a ordem tributária.

O pedido é para que seja cumprida a decisão da 6ª Turma do STJ, que determinou execução imediata da pena. A ministra relatora no Superior Tribunal de Justiça, desembargadora convocada do Tribunal de Justiça do Pernambuco Alderita Ramos de Oliveira, já solicitou informações ao juiz federal da 1ª Vara Criminal, que tem prazo até 24 de março.

Para o MPF, a decisão está transitada em julgada (definitiva) e não cabem mais recursos para a acusação ou para a defesa. No texto, o Ministério Público Federal solicita a certidão de trânsito em julgado, não considerando haver prescrição da pretensão para execução da pena. 

Além da Reclamação, o MPF apresentou contrarrazões ao Recurso Extraordinário interposto pela defesa de Nicolau dos Santos Neto para a suspensão dos efeitos do acórdão da 6ª Turma do STJ, enquanto não houver trânsito em julgado da decisão. No entendimento do órgão, qualquer outro pedido teria o objetivo de atrasar o processo.

Nicolau dos Santos Neto foi condenado em primeiro e segundo graus por desvio de verbas na construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo. Ele, que hoje tem 84 anos e está com a saúde debilitada, responde a várias ações criminais por ter participado de esquema que desviou mais de R$ 170 milhões durante as obras. O ex-juiz cumpre prisão preventiva domiciliar desde 2007. Com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério Público Federal e da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 20 de março de 2013, 17h57

Comentários de leitores

3 comentários

Demora excessiva

Rogério Aro. (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Acho que o condenado nem se recorda do crime!

Correr é preciso

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

É preciso ir rápido. Lalau está velho, e a pena se aproxima, circunstâncias que possuem o poder de, juntas, deixar a boca do criminoso "mais solta", e aqueles que lhe deram as costas (fazendo com que a sociedade acreditasse que um juiz sozinho roubou milhões) mais preocupados.

84 anos...

Pedro 234 (Estudante de Direito)

Isso me faz lembrar a observação de Evandro Lins:"Na realidade quem está desejando punir demais,no fundo está querendo fazer um MAL...Se equipara um pouco ao própio delinquente."

Comentários encerrados em 28/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.