Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Negociação e qualificação

Exercícios práticos ajudam a capacitar conciliadores

Exercícios práticos devem ser a base dos programas de capacitação de mediadores. A afirmação é do professor da Faculdade Getúlio Vargas, Diego Falek, especialista em negociação e qualificação de mediadores. Segundo ele, o bom mediador precisa ter habilidades que em muitos casos somente o treinamento contínuo pode ajudar a desenvolver. Falek participou no II Seminário sobre Conciliação e mediação, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça, na última segunda-feira (22/10), no Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Uma das habilidades, segundo o professor, é a capacidade de analisar as pessoas. “O mediador precisa ter a capacidade de absolver informação e utilizá-la para avançar em relação ao acordo”, explicou Falek. Além disso, ele citou a capacidade de o mediador “ler as pessoas” e ver o que nem sempre está em evidência.

De acordo com Falek, as habilidades necessárias para a formação de um mediador podem ser adquiridas com treinamento, que deve ser contínuo e mais voltado para a prática. Ele defendeu a prática de exercícios de simulação e a atuação em casos reais, com a devida supervisão. O monitoramento é importante, pois ajuda apontar ao futuro mediador as deficiências que ele precisa sanar para obter êxito nas conciliações.

“O ser humano não consegue abraçar todos os temas. Se você se aprofundar muito em psicologia, não terá tempo para se aprofundar muito em outras áreas também necessárias à mediação. Um ponto muito importante do treinamento do mediador é a supervisão individualizada, pela qual é possível trabalhar diversos elementos de uma pessoa que ela não consegue perceber sozinha”, afirmou.

Ele palestrou no painel Treinamento por Abordagem Clínica na Formação de Mediadores e Conciliadores, mediado pelo ex-juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Ricardo Chimenti. O Seminário fez parte dos preparativos para a VII Semana Nacional da Conciliação, que acontece em todo o Brasil, de 7 a 14 de novembro de 2012. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 24 de outubro de 2012, 18h10

Comentários de leitores

2 comentários

Especialista em mediação defende capacitação de conciliadore

ADEVANIR TURA - ÁRBITRO - MEDIADOR - CONCILIADOR (Outros - Civil)

Data vênia, cabe informar aos leitores, que no Estado de São Paulo os conciliadores são formados através de cursos ministrados por especialistas em Mediação que são pagos com verbas do Tribunal de Justiça. Portanto, exigir que voluntários mediadores suportem as despesas do curso, nada mais é, que levar ao insucesso o Instituto da Mediação nos Tribunais de Justiça. Ademais, na minha opinião, inventaram essa de mediação nos Tribunais para nada mais nada menos, na tentativa minar o crescimento instituto da Arbitragem. Os Juízes sempre foram instruídos quanto à mediação e conciliação, mas, nunca usaram. Poucos tentavam a conciliação entre as partes. Só acordaram para esse fato, depois da Lei da Arbitragem, justamente para barrar o seu crescimento.

Reconhecer capacitações também se mostra necessário

José Guimarães (Professor Universitário - Trabalhista)

A complementar o artigo em tela, impõe-se o reconhecimento das capacitações alcançadas anteriormente à Resolução CNJ 125/2010, em especial quando feitas por entidades reconhecidamente voltadas à preparação de conciliadores.
Ademais, ao ignorar a capacitação de conciliadores que por vários anos se encontram em plena atuação perante o Poder Judiciário, vê-se que exigir destes profissionais voluntários que sejam submetidos a cursos não gratuitos para ouvir apenas manifestações de juízes sobre conciliação, é desconsiderar toda a voluntariedade desenvolvida para nada acrescer às respectivas atuações.
CNJ: respeite o conciliador!

Comentários encerrados em 01/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.