Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

informações sigilosas

Promotor terá de indenizar cidadão em R$ 50 mil

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça manteve decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, que afirmou: televisão não é recurso de trabalho de promotor. O STJ negou o recurso de um membro do Ministério Público que foi condenado junto à Rede TV! a indenizar, cada um, em R$ 50 mil uma pessoa atingida pela divulgação de um processo que corria em segredo de Justiça.

O TJ paulista entendeu que o promotor não poderia ter se utilizado da emissora de TV para divulgar informações sigilosas sobre um processo. Segundo o acórdão do TJ-SP, a divulgação das informações causou danos à imagem do cidadão, justamente porque foi feito por meio da imprensa. 

O relator do caso no STJ, ministro João Otávio Noronha, entendeu que as decisões de primeira e segunda instâncias estavam fundamentadas e não desrespeitaram a Lei Orgânica do Magistério Público. 

No caso analisado, um promotor expôs à RedeTV! a situação de um homem que respondia a processo, acusado de não pagar alimentos à mãe idosa. Pela divulgação, de forma desrespeitosa na visão do STJ, o promotor e a emissora devem pagar, cada um, indenização de R$ 50 mil ao cidadão.

A decisão foi proferida em recurso impetrado pelo promotor, depois de ter sido condenado em segunda instância por ultrapassar suas atribuições profissionais. Na decisão, o STJ afirmou que o promotor não pode ser considerado passivo na culpa, pois não se trata de uma ação da Fazenda Pública, e sim de uma pessoa.

No recurso ao STJ, o promotor afirmou que, “assim como o juiz de Direito, conquanto possam ser responsabilizados pelos atos cometidos com dolo ou culpa no exercício das suas funções, os promotores não podem figurar no polo passivo da ação ordinária de indenização movida pelo ofendido, ainda que em litisconsórcio passivo ao lado da Fazenda Pública”. 

O promotor contou que, na época dos fatos, exercia sua função no Grupo de Atuação Especial de Proteção ao Idoso (Gaepi) e, portanto, na qualidade de agente político estaria “a salvo de responsabilização civil por seus eventuais erros de atuação, a menos que tenha agido com culpa grosseira, má-fé ou abuso de poder”. O promotor também alegou cerceamento de defesa e pediu, caso fosse mantida a condenação, a redução do valor da indenização para um terço do seu salário. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1.162.598
MC 15.498

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2011, 15h18

Comentários de leitores

3 comentários

QUANDO AS LUZES DOS HOLOFOTES SÃO IRRESISTÍVEIS

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

É muito comum hoje em dia promotores, juízes e delegados participarem de programas vespertinos para comentarem acerca de casos em evidência, já julgados ou em trâmite. As luzes dos holofotes realmente causam uma 'coceira' irresistível; não no corpo, mas.... no ego, onde, ao contrário, se dispensa por completo o protetor solar, de forma que quanto maior a exposição , melhor !

MP SECRETO

DUANY (Outros)

Os membros do MP devem agora atuarem como verdadeiros agentes secretos, cuja atuação o público não pode conhecer. Não me parece que a decisão atenda aos princípios republicanos.

Excelente decisão...

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

Finalmente, uma luz no fim do túnel!!! O JUDICIÁRIO, com essa decisão, abre caminho para a responsabilização de "agentes" públicos quanto a divulgação de elementos processuais ou não, ou de meras suspeitas, envolvendo cidadãos sujeitos a processos ou procedimentos processuais, de que dispõem em virtude de seus cargos. Devemos acabar com o chamado "funcionários mariposas", isto é, aqueles detentores de cargos públicos que não resistem aos holofotes da imprensa. Outrossim, a decisão abre caminhos para a responsabilização PESSOAL, em litisconsórcio (passivo) com o Poder Público para o pagamento da indenização cabível; chega de o "contribuinte" pagar, sozinho e com seus tributos, pelas violações aos direitos individuais cometidas por aqueles, já que nem sempre o ESTADO promove ações de ressarcimento em regresso, para haver deles a quantia paga às vítimas dos abusos.

Comentários encerrados em 21/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.