Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acusação de lobby

Erenice Guerra pede direito de resposta à Veja

A ex-ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, protocolou na Justiça ação em que pede direito de resposta à revista Veja por conta da reportagem que a acusou de usar o cargo para fazer lobby. O juiz Luiz Otávio Duarte Camacho, da 4ª Vara Civil de Pinheiros (SP), é quem vai decidir o caso. De acordo com notícia publicada pelo portal G1, antes, Erenice fez um pedido extrajudicial que não foi aceito pela Editora Abril.

“Procurei a revista na última quinta. Eles receberam uma notificação extrajudicial, mas não atenderam ao pedido. Então, entramos com a ação nesta terça”, declarou o advogado Sebastião Tojal, que a representa.

No processo, Erenice pede que o direito de resposta ocupe o mesmo espaço usado pela reportagem que a acusou de fazer lobby e viabilizar negócios nos Correios intermediados por uma empresa de consultoria de propriedade de seu outro filho, Israel Guerra.

De acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo, uma empresa de Campinas confirmou que um lobby opera dentro da Casa Civil e acusa o outro filho de Erenice Guerra, Saulo, de cobrar dinheiro para obter liberação de empréstimo no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O advogado de Erenice disse que vai aguardar o desfecho da ação de direito de resposta para só depois apresentar ação por danos morais contra a revista. A ação de Erenice chegou ao gabinete do juiz Camacho na tarde desta terça-feira (21/9). Ele deve decidir sobre o pedido de liminar ainda nesta semana.

Revista Consultor Jurídico, 21 de setembro de 2010, 20h12

Comentários de leitores

5 comentários

Direito de resposta, so se for para explicar...

Marcelo Lima (Professor Universitário)

Direito de resposta para ofender a revista, para dizer que está comprada, ou que se ProsTituíram é uma forma de censura.
Seria razoável se fosse para explicar o monte de parentes nomeados para cargo público, a "promoção" do procurador que modificou o parecer, a ida do gestor para ser "consultor" da empresa, dentre outras questões suscitadas.

Aonde vai a Veja?

dinarte bonetti (Bacharel - Tributária)

Será que Veja não percebe o quanto está perdendo de credibilidade, ao partir para acusações sem o menor compromisso com os fatos?
Credibilidade é fundamental no jornalismo, e Veja perdeu as estribeiras. Vai tomar tanto processo, e em vista de o governo estar saindo muito fortalecido nestas eleições, Veja não vai mais conseguir segurar as broncas como antes. Juizes antes amedrontados com o poder da Veja, vão começar a julgar com isenção. E será um desastre para a revista dos Civita. Confiram.

ProsTituição???

Sergio Battilani (Advogado Autônomo)

Gozado (desculpe o trocadilho). Quando é contra a turba está errado? Vai ver que andaram muito tempo em companhia da ProsTituição (sem querer ofender a antiga "profissão"). Professor de que mesmo???

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/09/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.