Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Contexto neoliberal

Democracia cumpriu menos seu papel do que poderia

Por 

A queda do Muro de Berlim implodiu a arquitetura do marxismo vulgar, que afinal era apenas um "derivativo" de uma sociologia positivista-naturalista. A "crise do subprime", por outro lado, constrangeu os oráculos neoliberais que juravam desprezo pelas funções públicas do Estado.

O marxismo vulgar foi responsável por uma simplificação impotente das relações entre capitalismo e democracia. O neoliberalismo, porém, identificava no próprio mercado a essência da democracia. Tornado um livro sagrado dos rebeldes da direita intelectual, o neoliberalismo acolheu no seu leito bem-remunerado tanto os profetas das agências de risco como muitos sociólogos pós-modernos missionários da antiesquerda.

O marxismo vulgar professou o "caminho único" da ditadura burocrática como uma espécie de etapa necessária para a superação do capitalismo. O neoliberalismo bastou-se a si mesmo. Não precisava olhar para o futuro, pois a "sublimação histérica do presente", sem regulação, já era suficiente para que o mercado nos humanizasse.

Quando o sistema financeiro global derreteu, o ex-presidente do FED, Alan Greenspan, fez a sua autocrítica e classificou os dirigentes corporativos de "enganadores", pois eles deveriam ter sido mais bem comportados... Outros ficaram tão possessos que chegaram a dizer que o neoliberalismo era uma fraude conceitual. Assim, esconderam a sua paixão pelo mercado e fizeram ataques preventivos à esquerda, antes mesmo que ela falasse.

Depois da queda do muro, choveram artigos de todas as origens ideológicas. A maior parte da esquerda, expondo seus erros, suas misérias teóricas e graves erros históricos. Os vencedores, ali, aproveitaram para forçar a barra do "caminho único" e instalar uma total inversão de valores.

Tiveram amplo acolhimento da maioria dos meios de comunicação, com reflexo nos principais partidos políticos. Era o registro do fim da história como programa máximo. O que resultou de mais positivo neste período -para nós da esquerda- foi a afirmação de um novo republicanismo democrático, comprometido com fortes políticas distributivas, com o liberalismo político e os direitos humanos, desacreditando a conexão entre o socialismo e a ditadura de classe. Tratamos, assim, de reiniciar um projeto utópico, ainda balbuciante, para substituir a visão anterior, baseada numa ideia socialista fechada, optando pelo socialismo como ideia reguladora na democracia pluriclassista.

Entre 1989 e 2008, os neoliberais "lavaram a égua", como se diz no meu Rio Grande. Conseguiram criar um dicionário dinossáurico: a esquerda como símbolo do atraso, a direita identificada com a "liberdade"; o Estado como sinônimo de impedimento, a iniciativa privada como símbolo da competência; as corporações globais como refúgio da pureza e as empresas estatais como paquidermes inúteis.

O Estado, porém, é o mesmo que agora é chamado para pagar a conta do "risco", da "imprevisão" e do "mau comportamento". É o mesmo Estado que atrapalhou o desenvolvimento e o progresso e agora socorre o risco não previsto pelas agências do mesmo nome. O mesmo Estado que, em breve, refeitos os bancos, já passará a ser o mesmo inimigo de antes. Lembro um belo filme de Nanni Moretti ["Aprile"], ele mesmo diretor e ator. Moretti aparece defronte a televisão esforçando-se inutilmente para influenciar D'Alema, que debatia na telinha com Berlusconi. Moretti dizia nervoso: "Parla, D'Alema! Per carità, rispondi". O querido mestre da centro-esquerda italiana, segundo a visão de Moretti, "non rispondeva".

Por isso perderia o páreo eleitoral. Estamos aqui numa situação semelhante. No contexto neoliberal, a democracia cumpriu menos do que poderia cumprir, se estivéssemos numa globalização cooperativa. Mas a esquerda tem que falar. Fala, esquerda! Fala fora da ortodoxia pré-Muro! Caiu o Muro de Berlim das agências de risco e nós dissemos muito pouco! Ou só obviedades. Caiu o socialismo burocrático, ruiu a social-democracia, adoeceu o financeirismo neoliberal e nós estamos incrivelmente quietos. Só Lula fala. Sejamos solidários. Falemos junto com Lula.


Tarso Genro é ministro da Justiça

Revista Consultor Jurídico, 4 de janeiro de 2009, 11h34

Comentários de leitores

7 comentários

Falou, falou, falou e nada disse.

Mauro (Professor)

Falou, falou, falou e nada disse.

O Estado existe exatamente para isto. Para inte...

ERocha (Publicitário)

O Estado existe exatamente para isto. Para intervir quando for necessário. Senão, para que haveria de existir o Estado? De mais a mais, NINGUÉM ganhou sozinho. Ou vai me dizer que o governo abriu mão dos impostos cobrados sobre os lucros das empresas? Para esta sujeito ser coerente, o Estado dele precisaria abrir mão dos impostos, as empresas pedirem socorro ao governo. Ai sim a fala dele seria coerente. Não correta, mas coerente. Antes disto esta comportando-se como um delinquente intelectual.

"Parla D'Alema", o que nos aflige não é o Estad...

Armando do Prado (Professor)

"Parla D'Alema", o que nos aflige não é o Estado Policial, mas o Estado Gângster que protege os intocáveis como o DVD.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.