Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reunião estratégica

Presidentes de tribunais discutem rumos da Justiça

Os presidentes de todos os tribunais brasileiros vão se encontrar no 2º Encontro Nacional do Judiciário, que acontece na próxima segunda-feira (16/2), em Belo Horizonte (MG). No encontro, serão discutidas diretrizes estratégicas do Poder Judiciário brasileiro para os próximos cinco anos. O presidente do Conselho Nacional de Justiça e do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, vai conduzir o encontro.

Irão participar os presidentes dos cinco tribunais superiores (STF, STJ, TSE, TST e STM), dos cinco tribunais regionais federais, dos 27 tribunais regionais do Trabalho, dos 27 tribunais regionais eleitorais e dos três tribunais militares, além de diretores de tribunais e dirigentes de associações. O evento será no Hotel Ouro Minas, na capital mineira, das 9h30 às 18h.

O CNJ apresentará algumas diretrizes do planejamento elaborado a partir das sugestões colhidas nos últimos meses em 12 reuniões regionais prévias, onde foi estabelecido uma série de políticas de ação estratégica para garantir uma Justiça de qualidade e mais acessível. As propostas serão debatidas durante o encontro e serão consolidadas no documento único de Planejamento Estratégico do Poder Judiciário, sob a coordenação do Conselho. As diretrizes estão organizadas sob os temas principais: eficiência operacional, acesso à Justiça, responsabilidade social, alinhamento e integração, atuação institucional, gestão de pessoas e infra-estrutura.

O Judiciário tem como meta estabelecer um plano de atuação unificado, modernizar e promover a integração das justiças estadual, federal, do trabalho, eleitoral e militar. O planejamento comum entre os tribunais fará com que os diferentes órgãos da Justiça atuem em um mesmo sentido e falem uma linguagem única, respeitando as particularidades de cada Justiça e região do país. A ideia é proporcionar maior agilidade e eficiência à tramitação dos processos, melhorando a qualidade do serviço jurisdicional prestado e ampliando o acesso do cidadão brasileiro à Justiça.

(Com informações da Agência CNJ Notícias)

Revista Consultor Jurídico, 15 de fevereiro de 2009, 7h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 23/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.