Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Disputa milionária

STJ julga se Ecad cobrará sobre faturamento de TV

Uma disputa milionária entre o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) e a TV Globo teve seu primeiro capítulo escrito no Superior Tribunal de Justiça. A 4ª Turma iniciou o julgamento do recurso apresentado pela entidade, que vai definir a forma de pagamento dos direitos autorais de repertório utilizado pela emissora. O Ecad quer aumentar o valor acertado em contrato (vigente até 2005) de R$ 3,8 milhões mensais para quase R$ 10,4 milhões, que corresponderia a 2,5% da receita bruta mensal da TV Globo — um aumento de quase 300%.

O julgamento foi suspenso logo após o relator do recurso, ministro Luís Felipe Salomão, votar pela manutenção da fórmula adotada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, de apenas atualizar o valor do contrato que vigorou de 2000 a 2005 entre as partes. Com isso, o pagamento da TV Globo ao Ecad ficaria em torno de R$ 4,5 milhões mensais, já corrigidos.

O ministro Salomão considerou os fatos desenhados no julgamento feito pelo TJ-RJ. O Ecad não demonstrou que o valor praticado anteriormente não correspondia a uma remuneração justa, ou que ensejasse desequilíbrio econômico do contrato. Além disso, a entidade teve conduta intransigente durante negociação com a emissora, recusando-se a acertar um novo valor que se mantivesse compatível e coerente com o praticado. Isso, para o ministro Salomão, feriu a boa-fé objetiva que deve orientar as relações contratuais.

O relator destacou a função social da TV Globo, de difusora da cultura em todo o território nacional, direito fundamental intimamente ligado à dignidade da pessoa. Para o ministro, a fórmula de cálculo sobre percentual de faturamento, imposta pelo Ecad, é intrusiva no patrimônio da empresa, algo que nem ao Estado é permitido, já que viola sigilos preservados pela Constituição Federal.

O ministro João Otávio de Noronha pediu vista do processo para examinar mais atentamente o caso. Não a data prevista para que o julgamento seja retomado. Aguardam para votar o ministro Fernando Gonçalves e o desembargador convocado Honildo de Melo Castro.

O caso
Inicialmente, a TV Globo ajuizou ação contra o Ecad para questionar a forma de cobrança feita pela entidade dos direitos autorais na execução pública de obras musicais. Até então, a arrecadação e distribuição eram feitas pelo Ecad, mas a TV Globo entendeu que o pagamento direto aos compositores e intérpretes contratados pela emissora é válido, passando a adotar esta postura desde 2005 para alguns autores. Isso, segundo o TV Globo, implicou em “sensível redução” no número de músicas do repertório do Ecad utilizadas em sua programação.

Ocorre que, de acordo com o regulamento de arrecadação do Ecad, a cobrança segue os valores correspondentes a 2,5% do faturamento bruto empresa, o que dá à emissora o direito de utilizar todo o repertório sob proteção da entidade. No entanto, a TV Globo afirma que em cerca de 50% do tempo de sua programação exibe músicas feitas sob sua encomenda, cujos direitos autorais lhe pertencem.

O Ecad também ingressou com ação pedindo o pagamento de perdas e danos e a proibição de que a emissora executasse músicas do seu repertório sob pena de multa diária. Em primeira instância, o pedido da TV Globo foi negado e a ação do Ecad foi julgada procedente. A multa diária foi fixada em R$ 300 mil.

A emissora apelou e o TJ-RJ reformou a decisão. O tribunal estadual viu abuso de poder no que se refere à fixação do valor da autorização em 2,5% da receita bruta da TV Globo. De acordo com o TJ do Rio, foram violados os princípios da isonomia, da boa-fé e do equilíbrio econômico do contrato, o que justificou a interferência do Judiciário para declarar abusiva a previsão do estatuto do Ecad. Desta decisão, a entidade recorreu ao STJ. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 5 de dezembro de 2009, 8h20

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.