Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Número 2

Número dois da Polícia Federal consegue liberdade no TRF-1

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou a soltura do diretor-executivo da Polícia Federal, Romero Menezes, número dois na hierarquia da instituição, por volta da 0h30 desta quarta-feira (17/9). Ele foi beneficiado por um Habeas Corpus concedido pelo desembargador Jirair Aram Meguerian. A informação é do portal de notícias G1.

O delegado, desde a sua prisão até o momento em que foi solto, ficou no edifício em que trabalha, na sede da PF em Brasília, e não chegou a ser transferido para a cela especial a que teria direito na carceragem da superintendência.

Menezes é diretor executivo da corporação e foi preso nesta terça-feira (16/9), sob a acusação de praticar advocacia administrativa. Outros dois mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão foram cumpridos nos Estados do Amapá, Pará e no Distrito Federal.

A ação é um desdobramento das investigações da Operação Toque de Midas. Essa operação investiga supostas irregularidades da EBX, do empresário Eike Batista, para a concessão da Estrada de Ferro do Amapá. O banqueiro Daniel Dantas tem 20% das ações da EBX.

O delegado foi um dos comandantes da Operação Chacal. Foi ele um dos que, por três dias, manipulou os CD's do Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas. A prisão dele foi pedida pelo Ministério Público Federal de Roraima. Motivo: indícios de que Romero teria favorecido funcionários da EBX e de uma outra empresa dirigida pelo irmão dele José Gomes de Menezes Júnior, que também está preso.

Quem deu voz de prisão a Menezes foi o próprio diretor da PF, delegado Luiz Fernando Corrêa. Isso aconteceu, às 9h50, quando Menezes tinha acabado de entrar no gabinete de Corrêa, acompanhado do diretor de inteligência, Daniel Lorenz, e Roberto Trocom, autoridade máxima da PF no combate ao crime organizado.

Em nota oficial, a PF informou que o diretor executivo Romero Menezes “pediu afastamento do cargo, acolhido pela Direção-Geral da Polícia Federal. O diretor de Combate ao Crime Organizado responderá pela Diretoria Executiva durante o afastamento. A Corregedoria Geral da Polícia Federal determinou a instauração de procedimento disciplinar para a apuração dos fatos”.

Revista Consultor Jurídico, 17 de setembro de 2008, 15h13

Comentários de leitores

17 comentários

Acho que você não entendeu. A idéia de "inve...

Crítico (Jornalista)

Acho que você não entendeu. A idéia de "inventar" a súmula foi minha. Não há "copiar e colar" naquela redação que criei. Por isso, você não foi criativo, já que copiou a idéia. Agora leia a minha redação e a da súmula 11 original (que um dia cairá), constate a diferença de textos e veja o tamanho da besteira que falou. De acordo com sua orientação, minha resposta está fundamentada objetivamente. Se não quiser perder tempo com palhaçada, leia com mais atenção. Obrigado.

Bom, com todo respeito, a minha "súmula" foi in...

Cleyton Alirio da Silveira (Advogado Associado a Escritório)

Bom, com todo respeito, a minha "súmula" foi inventada, não dei Ctrl + C, Ctrl V em súmula já existente do Supremo, acho que fui um pouquinho mais criativo. Olha Sr. "Critico", estou aberto a críticas da sua parte desde que você fundamente objetivamente. Vou respeitar sua opinião assim como gostaria que você respeitasse a minha. Este espaço esta aberto para discussão sobre assuntos sérios, não quero perder tempo com palhaçada. Tenho mais o que fazer.

Dessa aula ele nunca esquecerá.

Botelho Pinto (Consultor)

Dessa aula ele nunca esquecerá.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.