Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Resumo da operação

Relatório final da PF indicia 13 e foca acusações em Dantas

O relatório final do delegado Protógenes Queiroz sobre operação que investiga o banqueiro Daniel Dantas foi entregue ao Ministério Público Federal na segunda-feira (21/7). O texto, que foi reduzido de 245 para 152 páginas, foca as acusações na suposta gestão fraudulenta do banqueiro à frente do Banco Opportunity. Além de Dantas, outras 12 pessoas foram indiciadas. O banco e seus advogados negam as acusações apontadas pela PF.

O capítulo sobre o “papel da mídia na investigação” foi o que sofreu os maiores cortes, segundo notícia do jornal Folha de S.Paulo. Com exceção da repórter Andréa Michael, os outros jornalistas mencionados foram excluídos.

Protógenes manteve as avaliações sobre o suposto lobby exercido pelo ex-deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) no Palácio do Planalto. Greenhalgh, que é advogado de Dantas, não foi indiciado. No entanto, foi pedido à Justiça que investigue a relação do ex-deputado com o publicitário Guilherme Sodré Martins.

O delegado deixou a operação na última sexta-feira (18/7). Antes de sair da investigação, Protógenes entregou ao MPF representação na qual afirma ter havido obstrução na investigação por parte da direção da PF. Os procuradores já pediram à Justiça para investigar a acusação do delegado.

Segundo o relatório, Dantas, que é chamado de capo, operava informalmente uma rede com mais de 150 de empresas em nome de laranjas. "Identificamos a prática de manobras de investimento com o uso de informações privilegiadas, criações de inúmeras empresas, muitas delas são empresas de ‘prateleira’ utilizadas única e exclusivamente para operações de mútuo, (...) formando um complexo emaranhado que torna praticamente impossível a rastreabilidade do dinheiro da organização", afirma o delegado em trecho publicado pela Folha.

Protógenes diz que Dantas violou leis federais ao criar e manter um fundo de investimento nas ilhas Cayman onde brasileiros não poderiam investir. A suspeita é fundada em laudos do Instituto Nacional de Criminalística. A organização movimentou cerca de US$ 1,9 bilhão, afirma o relatório.

Além de Dantas, a PF indiciou Verônica, sua irmã, chamada de "subchefe central da organização", e diretores e gerentes do Opportunity Fund, uns apontados como laranjas, outros como testas-de-ferro. O banqueiro foi indiciado por corrupção ativa e gestão fraudulenta de instituição financeira (artigo 4º da Lei 7.492/86, que trata dos crimes do colarinho branco).

O documento será analisado pelo procurador Rodrigo de Grandis. O inquérito deverá retornar à PF, que agora deu início à perícia ao material recolhido durante a operação.

Revista Consultor Jurídico, 25 de julho de 2008, 13h26

Comentários de leitores

1 comentário

Esse banqueiro Daniel Dantas deve ser invistiga...

PEREIRA (Contabilista)

Esse banqueiro Daniel Dantas deve ser invistigado a fundo pelos órgãos responsáveis. Se o Brasil quizer fazer uma fachina nos crimes de lavagem de dinheiro e outras trambicagens, essa é a vez. Acabar com essa história de gente dessa estirpe está sendo protegida por ministro de supremo ou outras autoridades. Aliás, todos que cairem nas malhas da PF devem ser investigados.

Comentários encerrados em 02/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.