Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Álcool e estrada

Soluções paliativas não resolvem violência no trânsito

Por 

É elogiável qualquer iniciativa séria do governo que se proponha a reduzir a violência no trânsito. Os números são alarmantes e crescem exponencialmente a cada ano. A promulgação do Código de Trânsito Brasileiro, em 1997, não foi suficiente para aplacar a imprudência dos motoristas, principal causa dos acidentes e tragédias. E o grande vetor da imprudência consiste no consumo de bebidas alcoólicas associado ao ato de dirigir.

Visando combater o problema, foi promulgada a Medida Provisória 415, já em vigor, que proíbe a comercialização de bebidas alcoólicas em rodovias federais. Os infratores estarão sujeitos ao pagamento de multa no valor de mil e quinhentos reais e, em casos de reincidência, o valor é cobrado em dobro, com suspensão da autorização para acesso à rodovia pelo prazo de dois anos.

Embora o espírito da norma seja sensato e coerente, pois, na teoria, os motoristas teriam maior dificuldade em consumir bebidas alcoólicas em suas viagens, não se pode deixar de apontar que a Medida Provisória em questão nasce contaminada pelo germe da inconstitucionalidade.

Os acidentes se sucedem no Brasil com impressionante regularidade, e a população segue órfã de uma medida legislativa que atinja a raiz do problema. A maioria das propostas legislativas são tópicas, além de não resistirem ao mais leve enfrentamento jurídico. São inservíveis aos anseios da sociedade.

Vejamos a questão pelo prisma constitucional. Embora a Constituição seja expressa no sentido de autorizar a intervenção estatal na economia, mediante regulamentação e regulação dos setores econômicos, é incontestável que o exercício de tal prerrogativa deve se harmonizar aos princípios e fundamentos da Ordem Econômica, conforme o artigo 170 da Carta Magna, que, em seu parágrafo único, asseguram livre exercício da atividade econômica. Isto conduz à inevitável conclusão de que, embora o Estado possa efetivamente intervir na economia, não pode fazê-lo caso sua atuação implique em ofensa à livre iniciativa e à livre concorrência, causando desequilíbrio nas relações econômicas.

Portanto, sendo o comércio de bebidas alcoólicas para maiores de idade uma atividade perfeitamente lícita, não é juridicamente tolerável que, num mesmo segmento econômico, o legislador beneficie uns em detrimento de outros, como ocorre, ainda que indiretamente, na aludida Medida Provisória. Sim, pois haverá um direto favorecimento para aqueles estabelecimentos situados nas cercanias das rodovias, mas não propriamente na via federal. É pueril acreditar que a proibição da venda de bebidas alcoólicas pelos estabelecimentos de beira de estrada evitará seu consumo pelos motoristas, que poderão facilmente adquiri-las em centenas de outros estabelecimentos.

Assim, partindo-se da premissa de que o dever de indenizar, por parte do Estado (responsabilidade objetiva), decorre da existência de dano atribuível a sua própria atuação, é forçoso concluir que, havendo um eventual futuro reconhecimento de inconstitucionalidade da referida Medida Provisória, os comerciantes lesados estarão plenamente legitimados a ingressar na Justiça contra a União Federal para ressarcimento dos danos sofridos.

A inutilidade da norma é ainda mais gritante do ponto de vista prático, na medida em que a propalada proibição estimulará o comércio clandestino por parte dos vendedores ambulantes (talvez até contratados pelos próprios comerciantes), inclusive com redução de arrecadação por parte do Governo. Ganha fôlego o emprego informal.

O que se observa, com a medida, é uma tentativa bem intencionada, porém simplória, de resolver um problema extremamente complexo e recorrente em nossa sociedade, que é a violência no trânsito. A responsabilidade por essa situação-limite em que vivemos não é do comerciante, mas dos próprios motoristas imprudentes.

Enquanto não houver coragem e vontade política para dar rigor e efetividade à lei, não haverá avanços nessa área. Soluções indiretas e superficiais, que não atacam o núcleo do problema, jamais reduzirão os índices de violência no trânsito. Enfim, não há espaço para paliativos: é inadiável a criação de leis mais severas com os motoristas imprudentes, assim como uma fiscalização séria e permanente, efetuada não apenas por radares, mas por policiais fardados nas ruas. Do contrário, continuaremos assistindo tragédias cada vez maiores, e cada vez mais próximas de nós.

 é sócio da Siqueira Castro Advogados no Rio de Janeiro e membro da Comissão de Arbitragem da OAB/RJ.

Revista Consultor Jurídico, 22 de fevereiro de 2008, 0h01

Comentários de leitores

4 comentários

Prezados, visitem meu blog. Observatório da C...

Educação Financeira para Todos (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Prezados, visitem meu blog. Observatório da Criminologia. www.novacriminologia.blogspot.com

O buraco é bem mais embaixo. O problema central...

D Quixote (Advogado Autônomo)

O buraco é bem mais embaixo. O problema central é a educação. Em primeiro lugar, a educação para a cidadania e para a vida em sociedade. O que temos hoje é uma educação que somente enfoca a individualidade e o egoísmo, com vistas a passar no vestibular. Em segundo lugar, quando as crianças crescem já educadas civicamente, a educação específica para ser motorista. As auto-escolas não cumprem esse papel. Elas apenas ensinam a fazer as provas de admissão à habilitação. Só que, para cumprir essa função educativa, senhores, serão mais de 30 anos de investimentos sólidos, sérios e ininterruptos.

Quando li noutro site esta notícia fiquei admir...

futuka (Consultor)

Quando li noutro site esta notícia fiquei admirado com a penalização aplicada ao caso, senão vejam que interessante e não foi em uma estrada, me parece que o mesmo ficou 120 dias afastado, além de tudo foi de '3x0'*! .QUEM SAIU GANHANDO?QUEM SAIU PERDENDO? "O promotor de Justiça Wagner Grossi, acusado e dirigir bêbado e causar a morte de três pessoas num acidente de trânsito, voltou a desempenhar as funções no Fórum de Araçatuba, no interior de São Paulo, onde presta serviços, a 430 quilômetros da capital paulista." . (*)Me desculpem estava na "garganta"..

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/03/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.