Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Autonomia limitada

PGR contesta lei que vincula Defensoria ao Poder Executivo

O procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, resolveu contestar dispositivos de duas leis mineiras que subordinam a Defensoria Pública local ao governo de Minas Gerais. Ele alega, no Supremo Tribunal Federal, que a Constituição Federal assegura às Defensorias Públicas estaduais autonomia funcional e administrativa.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade da PGR contesta o artigo 10 da Lei Delegada 117, que vincula a Defensoria à Secretaria de Defesa Social de Minas Gerais, e a alínea `h´, do inciso I, do artigo 26, da Lei Delegada 112, que subordina a Defensoria ao governador do estado.

“A manutenção dos dispositivos impugnados traz como resultado a vulneração da liberdade de atuação da Defensoria Pública de Minas Gerais, a desembocar em prejuízos atinentes aos direitos e à garantia de acesso ao Poder Judiciário dos cidadãos por ela assistidos, em especial quanto a eventuais demandas em face do próprio governo mineiro”, afirma o procurador-geral.

Antonio Fernando Souza argumenta, ainda, que o dispositivo constitucional que assegura a autonomia das Defensorias (parágrafo 2º, do artigo 134) é considerado, pelo Supremo, auto-aplicável e de eficácia imediata. Motivo: as Defensorias Públicas são necessárias para a efetivação dos direitos humanos. A relatora do caso é a ministra Cármen Lúcia.

ADI 3.965

Revista Consultor Jurídico, 29 de setembro de 2007, 0h00

Comentários de leitores

2 comentários

Será que o "carequinha" continua levando a arre...

 (Advogado Autônomo - Civil)

Será que o "carequinha" continua levando a arrecadação que deveria ir para os cofres públicos???!!!

Sou do MP de MG e o que vemos hoje é que nosso ...

MPE (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Sou do MP de MG e o que vemos hoje é que nosso Executivo e Legislativo querem todos subordinados a eles por interesse escusos. A Defensoria Pública de MG tem cerca de 300 membros quando deveria ter pelo menos 800, como o MP, ou até 900, como a magistratura. Os pobres estão abandonados! Pior: os defensores que têm são mal pagos, recebendo indignos três mil e não possuem praticamente nenhuma estrutura de trabalho! Também a Polícia Civil está acabada, com baixíssimos salários, delegacias que deveriam ser interditadas pela defesa civil e bombeiros, carro velhos e cadeias hiperlotadas. É o retrato intolerável de MG.

Comentários encerrados em 07/10/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.