Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Boi na linha

Empresa de telefonia responde por clonagem de celular

Uma mulher que teve seu celular clonado deve receber reparação por danos morais da empresa de telefonia. A decisão é do juiz da 13ª Vara Cível de Belo Horizonte, Llewellyn Davies Medina, que condenou a empresa a pagar 50 salários mínimos. Cabe recurso.

Segundo o processo, a funcionária da empresa de seguros usa um celular da empresa onde trabalha, para fins comerciais. A partir de março de 2003, a empresa começou a receber reclamações de clientes que tentavam entrar em contato com o celular e não conseguiam falar.

A mulher recebeu uma advertência dos superiores e foi ameaçada de perder o emprego, mesmo já estando na empresa há 17 anos. Ela entrou em contato com seus clientes e foi informada que ninguém atendia ao número do telefone e, quando atendia, era um homem que não se identificava.

A funcionária entrou em contato com a operadora e, após muitas reclamações e nenhuma solução, em abril de 2004, registrou queixa na Polícia Civil. A operadora alegou que ela deveria pagar as contas antes de resolver o problema e começou a fazer cortes nos serviços prestados. A mulher foi à Justiça.

Em sua defesa, a empresa alegou que já tinha detectado a clonagem no aparelho e disponibilizou um novo para a funcionária. Também disse que o fato do aparelho ter sido clonado não impede seu uso e alegou, por fim, que a culpa não é dela e sim de terceiros que foram os responsáveis pela clonagem.

O juiz disse que o fato de o telefone ter sido clonado “já é prova do defeito na prestação do serviço telefônico, pois não ofereceu a segurança que dele se devia esperar”. Além disso, a funcionária sofreu constrangimento “visto que recebeu advertência do seu patrão” por causa de reclamações de clientes.

Os danos materiais foram julgados improcedentes por que a mulher não comprovou o pagamento de valores indevidos. Os honorários advocatícios e as custas processuais serão divididos entre as partes.

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2005, 9h12

Comentários de leitores

0 comentários

A seção de comentários deste texto foi encerrada.